Confira declarações dos pilotos após sábado de classificação do GP da Itália 2020

Após um treino classificatório marcado por disputas de vácuo, os pilotos valorizaram o equilíbrio do pelotão intermediário do GP da Itália. Veja todas as declarações dos 20 membros do grid

Para surpresa de poucos, Lewis Hamilton é o pole-position do GP da Itália de 2020. O inglês hexacampeão mundial derrotou Valtteri Bottas, companheiro de Mercedes, para cravar o primeiro posto do grid pela 94ª vez na carreira.

A classificação ficou marcada pelas disputas de vácuo para voltas rápidas, e o assunto foi dominado pelos pilotos após o treino, alguns comemorando o timing que saíram dos boxes, e outros lamentando. O GRANDE PRÊMIO separou todos a seguir.

Com média horária de 264,362 km/h, a maior em uma volta da história da F1, Hamilton conquistou nova pole (Foto: Mercedes)

Confira as declarações dos pilotos:

Lewis Hamilton, primeiro: Pole, Hamilton agradece Mercedes por acertar timing na ida à pista em Monza

Valtteri Bottas, segundo: Bottas lamenta volta sem vácuo em tentativa final no Q3 em Monza: “Estava sozinho”

Carlos Sainz, terceiro: “Forte desde o início”, Sainz festeja top-3 em Monza: “Arrisquei tudo e deu certo”

Sergio Pérez, quarto: “Muito satisfeito” e surpreso com 4º no grid, Pérez fala até em “subir ao pódio” na Itália

Max Verstappen, quinto: Verstappen espera briga por pódio em Monza, mas reclama: “Não é para isso que estou aqui”

Lando Norris, sexto: “Uma classificação difícil. Está muito apertado dentro do pelotão intermediário. Os dois primeiros estão longe, mas o resto está muito próximo, cometi uns erros na volta final que me custaram. Nada grande, acho que meio décimo, mas me colocaria em um lugar mais alto no grid. Um pouco frustrado porque estas pequenas coisas custam muito, mas é apenas o jeito que o pelotão intermediário está apertado no momento”.

Daniel Ricciardo, sétimo: “Me sinto bem com sétimo, foi uma boa recuperação ao longo da sessão. Estamos ainda um pouco atrás na classificação, e não mostramos a velocidade de ontem ou até da manhã. Foi bom chegar no Q3 e ficar em sétimo, significa que estamos em uma posição boa para brigar. Nosso carro é forte, estou confiante que vamos ter uma boa corrida”.

Ricciardo puxa fila de carros na saída dos boxes em Monza (Foto: Renault)

Lance Stroll, oitavo: “Fizemos um grande avanço com o carro durante a noite e fomos mais competitivos do que o esperado, então definitivamente sinto que poderia largar melhor que oitavo. Não foi a classificação mais limpa para mim, cometi um erro na primeira tentativa do Q3, que comprometeu minha volta. Sempre é duro em Monza com o tráfego, mas podemos focar na corrida. É difícil de passar, mas com uma boa largada, podemos anotar bons pontos. Estou feliz pelo Checo em quarto, e todo crédito ao time pelo trabalho duro em melhorar o carro nesta semana”.

Alexander Albon, nono: “Como esperávamos, foi outra classificação bagunçada, o que torna difícil fazer a volta no tempo certo. Tem sido um fim de semana complicado e estamos decepcionados com o resultado, mas particularmente, estou mais feliz com o carro aqui. Tem sido um fim de semana melhor, mas nono lugar não mostra isso. Porém, estamos mais próximos do Max, e isso é positivo”.

Pierre Gasly, décimo: “Estou feliz por chegar ao Q3 de novo. O TL3 foi difícil, então tivemos de encontrar mais ritmo na classificação. Parecíamos fortes no Q1 e Q2, minha volta me colocou em sexto. Porém, minha primeira volta com novos pneus no Q3 não foi boa. Tive muito problema com saída de traseira, estava escorregando. Na segunda volta, utilizei pneus velhos e fui bem, não o suficiente para estar à frente dos outros com novos pneus. É apenas décimo, mas ainda está muito próximo e acho que temos um pacote forte para a corrida amanhã”.

Daniil Kvyat, 11º: “A classificação foi um jogo de vácuo, então ou você acerta, ou erra. Tive uma infelicidade com o Kevin porque ele saiu da pista na minha frente, tive de levantar o pé e perdi o vácuo. Largar de 11º nos dá uma boa chance de brigar por pontos, e é isto que faremos. Tudo está em jogo”.

Esteban Ocon, 12º: Ocon se defende e diz que “estragaria volta de ambos se deixasse Räikkönen passar” no Q2

Charles Leclerc, 13º: 13º no grid, Leclerc amarga eliminação no Q2 na Itália: “Dói ainda mais por estar em casa”

Kimi Räikkönen, 14º: “Podemos ficar felizes com este resultado, mesmo que eu sinta que poderíamos estar um lugar mais alto. No Q1, o equilíbrio estava bom, mas tive problemas com os novos pneus na segunda volta. De qualquer jeito, aceitamos este resultado e vamos lutar daqui. Espero que seja mais fácil largando desta posição. Sabíamos que o Q1 seria bagunçado, e estar no lugar certo e na hora certa seria importante. Não é a primeira vez que isso acontece aqui e não será a última, parecia mais uma largada do que classificação, mas é assim que acontece. Será interessante ver o que a corrida nos reserva. Tivemos problemas em stints longos desde ontem, mas o carro fez avanços, então esperamos estar fortes. Daremos o nosso melhor e vamos ver onde terminamos”.

Pierre Gasly foi o décimo colocado no grid (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

Kevin Magnussen, 15º: “Cometi um erro e saí da pista. Estava no limite. Eu sabia que se tivesse uma volta perfeita, provavelmente bateria o Räikkönen, então tentei. Você precisa tentar, mas não funcionou. Seríamos 15º ou 14º, então não tínhamos nada a perder. Foi bom passar ao Q2, foi uma das minhas melhores classificações do ano, então aceito isso. Espero fazer algo na corrida amanhã, mas acho que não temos ritmo. Precisa ser algo extraordinário, então estou de dedos cruzados por isso”.

Romain Grosjean, 16º: “Estou decepcionado porque fizemos uma mudança na altura da traseira entre o treino e a classificação, mas não funcionou. Eu sabia que poderia passar ao Q2 hoje, mas a mudança que fizemos não melhorou o carro. Infelizmente, estamos fora. Como disse, é decepcionante porque eu estava convencido que passaria, mas estou fora no Q1. A corrida normalmente é diferente, vamos ver o que acontece. Espero que a suspensão traseira melhore, isso vai ajudar”.

Sebastian Vettel, 17º: Eliminado no Q1, Vettel fala em “momento errado” para tentar volta rápida na Itália

Antonio Giovinazzi, 18º: “É um resultado decepcionante em uma sessão dura. Sabíamos que seria assim porque o vácuo dá uma grande diferença. Tentamos nosso melhor, mas não foi suficiente. No último stint, que é quando você tem que fechar a volta, fiquei preso no tráfego e não pude melhorar. Não é ótimo, mas nosso foco tem de virar para amanhã. Largar do fundo não será fácil, mas temos de tentar. Fizemos algumas mudanças de manhã para melhorar o ritmo, e espero que isso ajude a nossa performance”.

George Russell, 19º: “Foi uma sessão frustrante para todos nós, especialmente neste momento. Olhando para trás, não tinha muito que o time poderia fazer se tivessem me mandado um pouco mais tarde. Estaríamos no mesmo barco. É daquelas coisas que acontecem em Monza. Apesar disso, temos olhos focados para amanhã”.

Nicholas Latifi, 20º: “Foi muito complicado. Sabíamos que teríamos dificuldades, o que se provou. As velocidades são muito altas e o vácuo faz toda a diferença. Minha primeira volta não foi boa, a segunda foi melhor, mas não perfeita. Se o Q2 era realidade, eu não sei dizer, mas poderíamos ter sido mais rápidos. Foco no amanhã para ver o que podemos conquistar”.

Fórmula 1 larga para a disputa do GP da Itália, oitava etapa da temporada 2020, às 10h10 (de Brasília) deste domingo. Antes, a partir de 9h, o GRANDE PRÊMIO faz a transmissão AO VIVO do BRIEFING pré-corrida, que analisa a classificação e as últimas informações vindas de Monza. Tudo na GPTV, o canal do GRANDE PRÊMIO no YouTube.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube