F1

Confira declarações dos pilotos após treino classificatório do GP do Canadá de 2019

Com 1min10s240, Sebastian Vettel bateu Lewis Hamilton no fim da classificação e ficou com a pole-position no GP do Canadá. Charles Leclerc ficou com o terceiro posto

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
Deu Ferrari na classificação para o GP do Canadá. Quando parecia que Lewis Hamilton ficaria com a posição de honra em Montreal, Sebastian Vettel apareceu com um giro de 1min10s446 nos instantes finais do Q3 deste sábado (8) para desbancar o #44 por 0s206 e garantir a ponta do grid.
 
0s680 mais lento que o companheiro de Ferrari, Charles Leclerc assegurou o terceiro posto, com Daniel Ricciardo surpreendendo e colocando a Renault para fechar a segunda fila do grid.
Sebastian Vettel (Foto: AFP)
Paddockast #21
A primeira vez a gente nunca esquece: as vitórias dos maiores nomes do esporte



Pierre Gasly assegurou o quinto posto, à frente de Valtteri Bottas, que rodou em meados do Q3, mas conseguiu evitar uma batida. Nico Hülkenberg vem na sequência, com Lando Norris e Carlos Sainz aparecendo em seguida. 
 
Por conta do acidente nos minutos finais do Q2, Kevin Magnussen não foi para a pista na fase seguinte e, assim, ficou com o décimo posto na classificação. Afetado também pelo revés da Haas, Max Verstappen não foi à fase final da classificação e vai sair em 11º, à frente de Daniil Kvyat, Antonio Giovinazzi, Alex Albon e Romain Grosjean, que vinha em volta no momento do acidente do companheiro de equipe, mas acabou sem tempo na etapa intermediária da classificação.
 
Com 1min12s197, Sergio Pérez foi o primeiro entre os eliminados no Q1 e vai largar em 16º, à frente de Kimi Räikkönen, Lance Stroll, George Russell e Robert Kubica.
 
Confira as declarações dos pilotos:
 
 
 
 
 
Daniel Ricciardo (Foto: Renault)
 
Nico Hülkenberg, sétimo: “Não posso ficar muito infeliz, pois minha volta não foi ruim, mas talvez deixei 0s1 na mesa. É minha melhor classificação da temporada e estamos em uma boa posição para amanhã. Daniel conseguiu uma ótima volta e no geral, o resultado da equipe é excelente. A equipe tem trabalhado muito, especialmente na unidade de potência, dando um grande passo do ano passado. Hoje, claramente, confirmamos o progresso hoje. Nosso ritmo de corrida parecia bom recentemente, então espero um resultado forte amanhã."
 
Lando Norris, oitavo: “Foi uma reviravolta perfeita em comparação com ontem e um bom resultado de classificação no final. Hoje foi uma melhora, mas poderia ter sido ainda melhor ― não fiz uma grande volta no fim do Q3. Mas a oitava colocação é um bom resultado e me dá uma boa posição de partida para amanhã. É uma pista divertida, mas complicada, e eu ganhei confiança a cada volta. Fiquei longe de Carlos ontem, então estou muito mais feliz hoje. Eu precisava dar a volta por cima nas coisas e voltei ao ritmo no TL3. As Renault foram rápidas na classificação, então eu podia fazer muito mais”.
 
Carlos Sainz Jr., nono: “No geral, podemos ficar satisfeitos por ter os dois carros no Q3, que era uma das metas para o fim de semana. Entretanto, eu cometi um erro na minha última saída no Q3 e não fiz a volta que merecíamos hoje, o que é uma pena e eu lamento pelo time. Eu queria colocar o carro o mais para frente possível, mas essas coisas podem acontecer quando forçamos os limites da pista. Amanhã não vamos largar de onde gostaríamos, por causa de uma punição, o que é desapontador, mas estou confiante de que temos uma boa chance de avançar e pontuar. Nosso ritmo é encorajador, então estou ansioso para amanhã. Gosto desta pista e estaremos prontos para agarrar as oportunidades que surgirem”. 
 
 
 
Daniil Kvyat, 12º: “Foi um sábado sólido para nós e fiquei feliz com minhas voltas, então não me sinto mal com o resultado. Melhoramos o carro desde ontem e teria sido bom conseguir largar dentro do top-10, mas nos faltam alguns décimos para ficar confortável. Quando tentamos encontrar um pouco mais de ritmo senti que parecia que havia algo faltando, então acho que o Q3 seria bastante apertado. Não é um resultado ruim já que a corrida é longa, então vamos manter nossas opções abertas e fazer nosso melhor para avançar amanhã."
Antonio Giovinazzi, 13º: “Foi uma sessão de classificação positiva. P13 não é uma posição ruim para largar e estamos perto de um lugar no top-10. Esta é uma pista nova para mim e toda volta me dá mais confiança. Eu estava melhorando minha última volta no Q2 quando a bandeira vermelha nos fez parar. Nós estamos em uma boa posição, mas a corrida de amanhã será longa e difícil. É uma pista onde você pode ultrapassar, então a estratégia será muito importante. Nós precisamos seguir trabalhando duro para melhorar e ir para casa com alguns pontos. Nós temos a escolha livre de pneus, então agora cabe a nós reunir tudo e ter um bom resultado”.
 
Alex Albon, 14º: “Acredito que seria bastante apertado conseguir entrar no Q3 hoje. Indo pelo nosso ritmo na sexta-feira, não esperávamos estar onde estamos hoje, mas demos bons passos durante a noite para voltar para a briga. Ficamos presos na balança e isso foi uma pena, pois não comecei a volta rápida onde queria. É um pouco frustrante porque minha volta não foi muito limpa, mas é um traçado legal e amanhã é um outro dia, então veremos o que fazemos na corrida."
 
Romain Grosjean, 15º: “Não foi a melhor sorte mais uma vez. Não foi um dia fácil. Nós tivemos uma quebra na asa traseira no TL3, o que fez com que fossemos para a classificação sem ter rodado com os pneus macios hoje. O Q1 foi ok, aí no Q2 nós fomos para uma estratégia completamente agressiva: uma única volta rápida. Na minha primeira tentativa, travei as rodas na curva 6, então não pude terminar a volta. A segunda tentativa foi, obviamente, atrapalhada pela bandeira vermelha. Talvez devêssemos ter sido mais conservadores, ou eu deveria ter pedido isso, mas não fiquei feliz com uma tentativa, uma tentativa na sessão. Então é uma pena. Não sei se teríamos chegado ao Q2, mas talvez próximos do Q3. Teria sido uma boa posição para amanhã”.
 
Sergio Pérez, 16º: “O ritmo estava lá para irmos ao Q2 e além. Essa é a pior sensação para um piloto, quando você sabe que poderia ter feito muito melhor. Eu travei as rodas na curva 10 e perdi tempo ali. A volta de preparação também foi difícil, com muitos carros indo juntos para a curva final, o que não foi o ideal. As diferenças são muito pequenas e nós achávamos que tínhamos mais margem do que tivemos. Eu estava prestes a conseguir uma boa volta e não dei 100%. Só alguns centésimos fizeram a diferença no final, então fomos eliminados no Q1, pois saber eu não maximizei a performance do carro machuca bastante ― especialmente sabendo o quão duro todo o time trabalhou para melhorar o carro recentemente. Vamos ver o que poderemos fazer amanhã. Vai ser uma corrida quente, o que vai dificultar a gestão dos freios, porque eles sofrem muito aqui. Não vamos desistir. Ainda temos um longo caminho pela frente e quero sair de Montreal com alguns pontos”.
 
 
Lance Stroll, 18º: “Não foi um dia fácil com a mudança de motor tendo um grande impacto no resultado final. Senti falta de não rodar no último treino e tivemos de voltar à especificação anterior do motor, que está vários décimos abaixo em termos de performance. Os rapazes e garotas na garagem fizeram um ótimo trabalho para colocar a unidade de potencia a tempo da classificação, mas eu me senti no contrapé indo para a sessão. Sem esses problemas, tenho certeza de que poderia ter ido mais longe na classificação. Me sinto positivo para amanhã: é a minha corrida de casa e vou dar o meu melhor. Me lembro que em 2017 eu voltei depois de uma classificação difícil para somar meus primeiros pontos na F1 em Montreal. Preciso tirar algo similar da manga amanhã”.
 
George Russell, 19º: “Foi uma classificação positiva. Maximizamos o pacote que é o máximo que podemos fazer. Tenho uma boa sensação sobre a pista, tem um bom fluxo e estou gostando de pilotar aqui. Fizemos muitas mudanças de ajuste durante a noite e foi uma grande melhora para a sensação do carro. Sabíamos que este traçado seria um dos mais desafiadores para nós, mas extraímos o máximo, então todos na equipe devem estar orgulhosos."
 
Robert Kubica, 20º: “Tive dificuldades com a aderência e com o feeling com o carro. Estava lutando demais com o carro e tive dificuldade para focar na performance. Ontem, o feeling geral era um pouco melhora, mas, certamente, tive dificuldade para ganhar aderência, o que é muito estranho”.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.