Consultor da Red Bull projeta motor Renault ao nível da Ferrari na fase europeia da F1: “Vemos sinais alentadores”

Helmut Marko, homem de confiança da Red Bull na F1, vê a temporada 2017 com otimismo. O consultor acredita que, conforme a Renault atualize o motor, a equipe finalmente vai alcançar a potência desenvolvida pela Ferrari

 
No final de 2016, a aerodinâmica já foi suficiente para a Red Bull superar a estagnada Ferrari. No embate direto entre as duas gigantes, os austríacos levaram a melhor, assegurando o segundo lugar no Mundial de Construtores. Para 2017, a equipe dos energéticos projeta outro avanço importante: de acordo com o consultor Helmut Marko, o deficiente motor Renault – rebatizado de Tag-Heuer – vai alcançar o nível da unidade de potência ferrarista.
 
“Estamos vendo sinais alentadores de que a distância para os ponteiros está diminuindo gradativamente”, disse Marko, falando ao ‘motorsport-magazin.com’. “Nós devemos estar em boa forma na parte europeia da temporada. Do ponto de vista da velocidade, nosso motor deve chegar ao nível do da Ferrari, a não ser que eles deem um grande salto”, completou.
 
O motor Renault é um dos que mais melhorou ao longo de 2016, consequência direta da entrada da montadora francesa como equipe de fábrica no grid da F1. Grandes atualizações foram feitas, mostrando que a marca de Viry-Châtillon está no caminho certo.
A Red Bull se vê capaz de crescer ainda mais (Foto: Red Bull Content Pool)
O problema é que ainda é preciso comer muito feijão com arroz. A primeira versão da Renault de motor V6 Turbo, concebida em 2014, deveu muito para a unidade de potência da Mercedes. Esse déficit vai seguir existindo em 2017, mas em escala muito menor.
 
“Ainda não chegamos ao nível da Mercedes. Mas a diferença já não é tão grande a ponto de dizermos que não temos nenhuma chance”, refletiu Marko.
 
A Red Bull venceu duas corridas em 2016 – uma com Daniel Ricciardo, outra com Max Verstappen. Os austríacos são apontados como possíveis surpresas na temporada 2017, tirando proveito das mudanças profundas no regulamento técnico da F1.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)<0?n+="px":n,cc.style.display="",s2.width=n,window.frameElement&&(s1.height=c2.offsetHeight+5+"px"),t=500,s1.width="100%"}rs(t)},200)}var c1=window.frameElement?window.frameElement:document.getElementById("crt_ftr"),c2=document.getElementById("crt_ftr"),s1=c1.style;s1.position="fixed",s1.bottom="-4px",s1.left="0px",window.frameElement&&(s1.height="0"),c2.style.textAlign="center",s1.zIndex="60000";var cc=document.getElementById("crt_cls"),s2=cc.parentNode.style;cc.onclick=function(){s1.display="none"};var t=0;rs(0);

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth < 970) ? 302357 : 302359;
document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube