Coronavírus encontra com F1 em Barcelona e aumenta temores para temporada 2020

Epidemia do Covid-19, nome científico da doença causada pelo coronavírus, já conta com casos registrados em 16 dos 22 países contemplados com eventos no calendário original da temporada 2020. Nesta terça-feira (25), Barcelona, onde a F1 está para os testes de pré-temporada, oficializou o primeiro caso

Após semanas a fio de preocupação isolada à China, o coronavírus começou a se espalhar de vez por outras partes do mundo. Diversos países identificaram casos múltiplos da doença em seus territórios e, nesta terça-feira (25), o vírus entrou de vez no caminho da Fórmula 1: o primeiro caso oficializado em Barcelona, onde o Mundial retoma os testes coletivos de pré-temporada na quarta-feira. 
 
A Agência de Saúde do governo regional da Catalunha confirmou o caso e, segundo o jornal local 'La Vanguardia', trata-se de uma mulher de 36 anos, italiana, que voltara do norte da Itália nos últimos dias. Segundo a publicação, ela esteve na região da Lombardia, a mais afetada até agora, entre os dias 12 e 22 de fevereiro. 
 
Ao todo, o caso de Barcelona é o quarto em território espanhol. Ainda na terça-feira, cerca de 1.000 hóspedes de um hotel em Tenerife, nas Ilhas Canárias, foram colocados em quarentena por conta da informação de que um turista italiano que estava no mesmo estabelecimento foi hospitalizado e testou positivo ao vírus.
F1 encontra coronavírus em Barcelona (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
A Itália é o país da Europa mais afetado pela doença até o presente momento. Já são dez mortes, incluindo as três confirmadas nesta terça-feira, todas na Lombardia, de pessoas acima dos 80 anos de idade. O número de casos oficiais no país está em 322, de acordo com Angelo Borrelli, diretor da agência de Proteção Civil da Itália, o que coloca o país atrás somente de China e Coreia do Sul na lista de mais afetados. A região da Sicília também já conta com caso registrado.
 
Em boa parte norte da Itália, há uma corrida aos supermercados para comprar e estocar desde máscaras descartáveis e produtos de limpeza até itens básicos de sobrevivência, como comida e água. A Ferrari também tomou precauções: anunciou o fechamento de visitas ao museu e da ala turística da fábrica por tempo indeterminado, assim como as visitas externas estão suspensas a não ser que sejam estritamente necessárias. Maranello, cidade-sede da Ferrari, fica na região de Emilia-Romagna, exatamente ao sul da Lombardia.
 
De acordo com o jornal italiano ‘La Gazzetta dello Sport’, a escuderia já avalia quais grupos de engenheiros podem trabalhar de forma remota, sem viajar aos países incluídos no calendário da categoria. Isso é particularmente importante ao lembrar que a primeira fase da temporada passa principalmente pelo continente asiático, o mais afetado pelo Covid-19.
 
O Ministro da Saúde da Irlanda, Simon Harris, pediu oficialmente que a partida entre as seleções nacionais de rúgbi de seu país e da Itália, válida pelo tradicional torneio Six Nations e marcado para 7 de março, não seja realizado. Já na liga de futebol italiana, a Serie A, cinco jogos da próxima rodada serão disputados com portões fechados – ou seja, sem torcida -, incluindo o clássico entre Juventus e Internazionale, os dois maiores campeões do país e rivais diretos na luta pelo título da atual temporada.
 
Na Europa, além de Itália e Espanha, os outros países com casos confirmados do coronavírus e que estão no calendário da F1 são França, Reino Unido, Rússia, Áustria e Bélgica. O continente ainda registra ocorrências na Alemanha, Finlândia, Suécia, Croácia e Suíça.
GP da China já foi adiado (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Ainda no âmbito do calendário original de 2020, China, Emirados Árabes Unidos, Canadá, Estados Unidos, Austrália, Vietnã, Japão, Bahrein e Singapura têm ao menos um caso confirmado. Ao todo, 16 das 22 praças. 
 
Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a epidemia passar por estabilidade na China, onde o surto se iniciou e já conta com mais de 77.000 casos e 2.600 mortes. Entretanto, fora do país, o momento é de números crescentes: são cerca de 2.700 casos e 40 mortes, além de uma série de transtornos. Itália, Coreia do Sul e o Irã são os países onde o crescimento é mais dramático atualmente. 
 
No mundo do esporte a motor, o coronavírus já causou alguns cancelamentos e outros tantos burburinhos. O GP da China de F1 foi adiado e o cancelamento parece questão de tempo, enquanto o eP de Sanya, também na China, foi limado do calendário da Fórmula E. Por outro lado, a F1 confirmou a realização do GP do Vietnã, marcado para o dia 5 de abril, enquanto a MotoGP oficializou que mantém o GP da Tailândia, em 22 de março. 
 
Diferentemente da F1, a Federação Mundial de Badminton anunciou a mudança do Desafio Internacional do Vietnã, evento classificatório para os Jogos Olímpicos de Tóquio, de março para o próximo mês de junho – o evento seria realizado uma semana antes do GP local da F1. O Bahrein suspendeu voos indo e vindo de Dubai, cidade com o principal aeroporto da região. A medida ajuda a conter a expansão do vírus na região, com o país já registrando 26 casos. Bahrein e Vietnã sediam, respectivamente, segunda e terceira etapas do Mundial de 2020. Já o Comitê Organizador dos Jogos de Tóquio anunciou que a banda amadora da maratona olímpica, que aguardava cerca de 38.000 inscritos, foi cancelada.

A Federação Internacional de Automobilismo admite tomar decisões mais drásticas caso a situação não seja controlada nas próximas semanas ou meses.

"Por conta da epidemia do coronavírus que começou no princípio do ano e, até agora, afetou principalmente a China, a FIA monitora a situação de perto ao lado das autoridades relevantes e federações nacionais, sob a direção do presidente de sua Comissão Médica, professor Gérard Saillant. A FIA irá avaliar calendários e suas corridas vindouras e, caso necessário, tomar a atitude devida para ajudar a proteger a comunidade global do esporte a motor e o público geral", afirmou.

O GRANDE PRÊMIO cobre AO VIVO, em TEMPO REAL e ‘in loco’ os testes de pré-temporada da F1 em Barcelona com o repórter Vitor Fazio. Siga tudo aqui.
 

Paddockast #49
RAÍ CALDATO: O ARTISTA PREFERIDO DE LEWIS HAMILTON

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube