F1

De saída da F1, Sirotkin vê “trabalho bem razoável”, e SMP diz que tomou decisão de deixar Williams

A confirmação de Robert Kubica como titular da Williams para 2019 significa, ao mesmo tempo, a saída de Sergey Sirotkin ao fim da temporada. A SMP Racing, apoiadora e patrocinadora do russo, diz que partiu dela, e não da equipe, a decisão de deixar o projeto em 2018
Warm Up / Redação GP, de Sumaré
 Sergey Sirotkin (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

Minutos depois que a Williams confirmou a contratação de Robert Kubica como titular para a temporada 2019 da F1, Sergey Sirotkin se pronunciou nas redes sociais. O russo fez sua estreia neste ano em meio a muitas dificuldades técnicas do lendário time de Grove e, embora tenha mostrado evolução no segundo semestre, somou apenas um ponto, fruto do décimo lugar no GP da Itália. Lance Stroll, seu companheiro de equipe, tem seis tentos no campeonato.
 
No seu pronunciamento, Sirotkin não mencionou a Williams e falou diretamente aos fãs. A respeito da avaliação a respeito da sua temporada, o moscovita de 23 anos entende que “fizemos um trabalho bem razoável na atual situação que nos encontramos neste ano. 
 
Em contrapartida, a SMP Racing, empresa que banca e apoia a carreira do russo, foi além. Nas palavras de Boris Rotenberg, partiu da SMP, e não da Williams, a decisão de tirar Kubica do projeto em 2019.
Sergey Sirotkin está fora da Williams (e da F1) em 2019 (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Aos fãs, Sirotkin escreveu. “Queridos amigos, infelizmente não vou correr na F1 no ano que vem. Foi um ano longo e difícil, e nem tudo correu como eu gostaria, mas segui trabalhando e dei toda a energia e todo o meu coração para alcançar o que sinto que merecia e, sendo honesto, acredito que nós fizemos um trabalho bem razoável na atual situação que nos encontramos neste ano”.
 
“Obrigado a todos pelo apoio, pela confiança e pelas palavras de conforto. Obrigado a todos pela torcida que tive durante o GP da Rússia em Sóchi, o que me tocou muito. E obrigado a todos durante esta temporada, que vai sempre permanecer nas minhas lembranças. Obrigado por tudo, queridos amigos”, completou.
 
Também em comunicado, Boris Rotenberg justificou a falta de performance da Williams pela saída de Sirotkin ao fim da temporada. O russo chegou ‘aos 48 do segundo tempo’ e venceu a concorrência com Kubica, que já tinha um acordo como titular da Williams, quebrado por conta de um patrocínio mais robusto oferecido pelos apoiadores de Sirotkin.
 
“Nós tomamos a decisão de não continuar participando do Mundial de F1 no projeto conjunto com a Williams. Ficamos desagradavelmente surpreendidos com o nível de performance da equipe no começo da temporada, e o nível de desenvolvimento do carro também não foi alto o bastante. Apesar disso, Sergey conseguiu fazer uma boa temporada, levando em conta as circunstâncias, dando 100% de si e cumprindo todas as tarefas a ele destinadas. Estamos satisfeitos com o seu trabalho e, no momento, estamos avaliando as opções para a sequência da sua carreira”, explicou.
 
“Ele vai fazer muitas corridas como parte da SMP Racing. Nossa decisão vai ser anunciada em breve”, emendou Rotenberg. A SMP Racing tem uma equipe vencedora no endurance e disputa a LMP1 no WEC, tendo Jenson Button como um dos seus pilotos.
 
No comunicado à imprensa para abordar a chegada de Kubica, Claire Williams agradeceu aos seus atuais pilotos. Enquanto Sirotkin está de saída da F1, Lance Stroll vai correr pela Force India, equipe que foi adquirida recentemente por um consórcio liderado por seu pai, Lawrence Stroll, formando dupla com Sergio Pérez no ano que vem.
 
“Lance e Sergey fizeram um ótimo trabalho para nós neste ano, sob circunstâncias difíceis. Eles são profissionais incríveis e deram tudo dentro e fora da pista. Nossos agradecimentos a todos da Williams por tudo o que eles fizeram quando estiveram conosco”, finalizou a britânica.