F1

Decepcionado, Verstappen diz que sequência de abandonos “não é má sorte” e ameaça deixar Red Bull

Max Verstappen não está com muita paciência para lidar com as desventuras que Red Bull e Renault vem impondo-lhe na temporada 2017. Tanto que, depois da falha de motor que o tirou do GP da Bélgica, passou na porta de chamar a equipe de incompetente e dizer que quer ir embora

Warm Up / Redação GP, de Porto Alegre

A paciência não é normalmente o ponto mais forte de Max Verstappen. Imagine, então, neste domingo (27), após o jovem piloto holandês sofrer uma falha no motor na oitava volta do GP da Bélgica e ser obrigado a encostar o carro. Foi o sexto abandono de Verstappen em 12 corridas na temporada, o que fez Max falar abertamente sobre o fim do crédito dado para a Red Bull
 
Conforme foi encostando o carro, ainda na corrida, já dizia no rádio que a situação era "inacreditável". Depois da prova, perguntado sobre quanto tempo mais pode aturar esse tipo de problema antes de pensar em um futuro fora da Red Bull, não se conteve. "Eu não sei, mas não muito."
 
Em entrevista à rede de TV inglesa Sky Sports, Verstappen seguiu 'descendo a marreta'. Apontou que a quantidade de problemas sucessivos em 2017 mostra que a questão com a Red Bull - e a Renault - é de competência, não sorte ou azar. 
 
"Frustrado e desapontado. Para um time de ponta, isso não pode acontecer. No começo você pode dizer que é má sorte, que essas coisas acontecem. Mas se acontece pela sexta vez no ano, então não dá mais para chamar de má sorte", afirmou. 
 
Lembrou, ainda, da vasta torcida que saiu da Holanda para ir vê-lo na prova mais próxima. "Os fãs comprar ingresso muito caros para assistir a corrida e aí, depois de oito voltas, acabou", seguiu.
Max Verstappen (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
"É muito desmotivante porque você trabalha duro todo fim de semana, tem um ótimo treino classificatório e está ansioso para a corrida, mas abandona após oito voltas. Não sei o que dizer, é um ano muito difícil", encerrou.

A F1 volta já na próxima semana, em 3 de setembro, com o GP da Itália em Monza. No ano passado o vencedor foi Nico Rosberg. O GRANDE PRÊMIOsegue todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL com o novo livetiming.
RENOVAÇÃO COM RÄIKKÖNEN DIZ MUITO SOBRE O QUE É A FERRARI E SEU PENSAMENTO SOBRE A F1