Décimo no Japão, Massa relata dificuldades da Williams com ritmo de corrida: “Uma luta do começo ao fim”

Felipe Massa não encontrou um bom ritmo de corrida no GP do Japão, o que significou uma corrida turbulenta. O brasileiro passou a maior parte do tempo na defensiva, garantindo o décimo lugar e um ponto: “Melhor do que nada”

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

Felipe Massa sofreu para encontrar velocidade na Williams FW40 neste domingo (8) em Suzuka. Depois de fazer uma bela classificação, o brasileiro teve dificuldades com o ritmo de corrida. Desse jeito, tudo que Massa conseguiu foi o décimo lugar, último dentro da zona de pontos.

 
“Corrida muito difícil para nós hoje, foi uma luta do começo ao fim”, comentou Massa. “Sofri com os pneus, tanto supermacios quanto macios. Tive dificuldades com meu ritmo, outras equipes definitivamente tinham mais ritmo de corrida do que nós. É uma pena, na classificação o carro estava muito bom”, lamentou.
 
Massa optou por uma estratégia arriscada justamente para driblar a falta de ritmo. O brasileiro foi o primeiro a parar, o que significou uma vantagem na briga com adversários diretos. Mas o preço foi pago no final, quando Felipe já sofria com o desgaste da borracha e a falta de aderência.
Felipe Massa sofreu para cruzar a linha de chegada em décimo (Foto: Williams)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Eu tive a disputa com a Haas no fim. Segurei enquanto pude, mas eles estavam 1s mais rápidos do que eu o tempo todo”, comentou, fazendo referência a Kevin Magnussen e Romain Grosjean. “Ainda consegui terminar na frente do Fernando [Alonso], o que foi um pouco difícil”, apontou.
 
A pontuação mínima está longe de deixar a Williams confortável na briga pelo quinto lugar no Mundial de Construtores, mas é uma boa notícia. “Um ponto não é ótimo, mas é melhor do que nada, principalmente comparando com equipes como Renault e Toro Rosso”, avaliou. As equipes citadas pelo brasileiro deixam Suzuka sem pontos.

A F1 volta em duas semanas, 22 de outubro, para o GP dos Estados Unidos de F1. GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades da F1 em Austin AO VIVO e em TEMPO REAL, com livetiming e gráfico interativo.

HÁ ESPERANÇA?

MESMO COM RESULTADO RUIM, VETTEL GANHA FORÇA NA MALÁSIA  

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube