F1

Dinheiro da Quantum na Lotus pode invalidar contrato de Maldonado e trazer Hülkenberg para 2014

Uma cláusula no contrato assinado por Pastor Maldonado com a Lotus indica que a Quantum e sua grana podem rasgá-lo e optar por outro piloto em 2014, no caso o alemão Nico Hülkenberg

Warm Up / VICTOR MARTINS, de São Paulo

A chegada da Quantum à Lotus, revelada neste fim de semana durante o GP de Abu Dhabi, reabre as chances de Nico Hülkenberg ser o substituto de Kimi Räikkönen em 2014 e prover indiretamente uma 'vendetta' do alemão em cima de Pastor Maldonado.

Como já revelado por Américo Teixeira Jr., a Lotus assinou um contrato com Maldonado depois de ter mandado seus representantes à Venezuela para ajudar a PDVSA a livrar-se do vínculo com a precária Williams, um ponto só no campeonato deste ano, em meio ao desespero de não ter dinheiro para garantir seu futuro — bem como o salário e os bônus de Räikkönen, que ameaçou nem correr as etapas em Austin e em Interlagos se não recebesse algo além do zero euro que via em sua conta bancária.

A questão é que o contrato de Maldonado, segundo fontes da Lotus, tem uma cláusula que pode invalidá-lo caso se confirme a injeção de dinheiro da Quantum na equipe na condição de acionista. Dinheiro que é evidentemente maior que a já qualificada quantia que Pastor carrega da petrolífera de seu país e que põe o time nos trilhos a curto prazo.

O sonho de Maldonado guiar por uma equipe de ponta em 2014 está perto do fim com a presença da Quantum na Lotus (Foto: Williams/Twitter)
 

Éric Boullier, também pelo passado difícil e aterrorizante com Maldonado, quer Hülk. A Quantum, abertamente, idem. Mansoor Ijaz é o dirigente que comanda a investidora árabe e já chega peitando, como se nota na entrevista que deu à revista 'Autosport'. E faz um lobby danado por Hülkenberg desde que se soube da sua existência.

Romain Grosjean tem a vida tranquila e já está garantido para o ano que vem. No outro lado da garagem, a balança que pesava totalmente para Maldonado se volta para o troco de Hülkenberg, defenestrado da Williams por conta do abastado venezuelano em 2012.

Neste novo cenário, Maldonado se veria obrigado a bater às portas de Sauber e Force India. A primeira está na mesmíssima situação em que a Lotus se encontrava até a vinda da Quantum, esperando o dinheiro russo que a obrigaria a colocar Sergey Sirotkin como um de seus titulares no ano que vem; a outra ainda não confirmou nenhum de seus pilotos. Na Williams, Felipe Massa está fechado — a não ser que haja alguma cláusula similar que esteja atrelada ao insucesso de Maldonado em outra equipe; o empresário de ambos os pilotos, ressalte-se, é o mesmo: Nicolas Todt.

Siga o GRANDE PRÊMIO                     Curta o GRANDE PRÊMIO