Diretor-adjunto da Force India diz que Renault deveria pegar dicas com Mercedes: “Poderiam alcançar a Ferrari”

Bob Fernley resolveu dar um pitaco na crise da Renault. Para o diretor-adjunto da Force India, os franceses deveriam pegar dicas com a Mercedes para, ao menos, alcançarem a performance dos motores Ferrari

A Renault segue sofrendo com seus motores na temporada 2015. Assim como em 2014, os franceses não conseguiram produzir unidades tão potentes quanto às da Mercedes. Neste ano, porém, a Ferrari evoluiu, deixando a Renault ainda mais para trás em potência e confiabilidade dos motores. Para Bob Fernley, diretor-adjunto da Force India, uma saída interessante para a Renault seria pedir dicas para a Mercedes, dona dos melhores motores.
 
O dirigente do time indiano também falou deste final de ciclo da parceria entre Red Bull e Renault, afirmando que as partes deveriam se reunir e discutir saídas para minimizar a crise no final da temporada 2015.
 
“Eu acho que ambos cometeram muitos erros. Red Bull e Renault precisam ter humildade agora, é hora de sentarem, conversarem e buscarem algum resultado imediato”, disse.
Bob Fernley acredita que a Renault poderia pegar dicas com a Mercedes (Foto: Getty Images)
Na opinião de Fernley, a Renault deveria consultar a Mercedes para ter algumas dicas para melhorar seus motores e, assim, conseguir a evolução que a Ferrari atingiu.
 
"Os motores Renault são capazes de ter uma performance ao menos do nível que hoje têm os da Ferrari. Talvez com algumas dicas da Mercedes eles cheguem lá, é uma coisa a ser pensada", completou.
 
As equipes com motores Renault não conseguem ter um bom ano. Red Bull é a quarta colocada no Mundial de Construtores, enquanto a Toro Rosso vem em sétimo.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube