Diretor admite que Honda subestimou desafio de retornar à F1: “Não imaginávamos que seria tão difícil”

Yasuhisa Arai, o diretor de competições da Honda na F1, reconheceu que a montadora japonesa subestimou o desafio de retornar ao Mundial na parceria com a McLaren. Ainda assim, o engenheiro se mostrou confiante de que a fabricante vai conseguir dar a volta por cima

A Honda reconheceu que subestimou o desafio de voltar à F1 neste ano, mas se disse confiante de que está resolvendo a contento todas as falhas, após uma primeira parte temporada complicada de desenvolvimento dos motores V6 híbridos. Ainda assim, a montadora japonesa admitiu que o retorno à maior das categorias foi mais complicado do que o esperado e que os tempos de glória do passado ficaram, de fato, no passado.

A fabricante nipônica juntou forças com a McLaren, reeditando a parceria que marcou o fim dos anos 1980 e começo dos anos 1990. Só que as unidades de energia atuais se mostraram mais complexas, e a Honda sofreu nesta primeira fase de campeonato com todo tipo de problema de confiabilidade. E ficou bem aquém de suas rivais.

Diretor da Honda, Yasuhisa Arai fala sobre os projetos da fornecedora (Foto: Getty Images)

"As expectativas sempre foram muito altas por causa da nossa grande história com a McLaren. A maioria dos fãs tem uma imagem de vitória dessa parceria. E esperavam nos ver competitivos imediatamente. Obviamente, não tem sido esse o caso", afirmou Yasuhisa Arai, o diretor de competições da Honda na F1.

"O esporte mudou muito desde os nossos dias de glória com a McLaren. A tecnologia atual é muito mais sofisticada e é difícil fazer um bom carro de corrida. Sabíamos que não seria fácil, mas talvez não achamos que fosse ser tão difícil também", admitiu.

"Acreditamos que o nosso layout mais compacto do motor vai se revelar competitivo. Nós sabíamos desde o princípio que isso também poderia causar problemas com relação ao calor. Mas agora já sabemos como funciona e, para a segunda metade da temporada, vamos aplicar todas as soluções. Também teremos novas peças, além de mais potência, o que vai certamente aumentar a nossa competitividade", explicou o engenheiro.

"Certamente, eu não imaginava o tipo de conhecimento tecnológico que estávamos lidando, mas tenho confiança na direção que tomamos. Agora, precisamos criar algo radical para superar os times de ponta, e esse é o objetivo final", acrescentou.

Arai ainda falou sobre a pressão por resultados em 2015 e manifestou confiança no modo de trabalho da Honda. "O método de trabalho da Honda é diferente do da F1 e da própria McLaren", afirmou o nipônico. "Claro que tenho uma grande pressão sob os meus ombros, mas isso é completamente normal", emendou.

"Só espero continuar a conduzir este projeto e acredito que os momentos da diretoria da Honda também confiam muito em mim", encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube