F1

Diretor da FIA descarta nova conversa com Verstappen e Ocon, mas diz que “não tolera” contato físico

Charlie Whiting afirmou que já resolveu o que tinha de resolver com Max Verstappen e Esteban Ocon em Interlagos, mas explicou que a F1 não pode tolerar contato físico, ainda que não tenha sido algo inédito na história
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Max Verstappen e Esteban Ocon (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

A polêmica entre Max Verstappen e Esteban Ocon não deve ser levada para frente pelas autoridades da F1. Diretor de provas da FIA, Charlie Whiting garantiu que já conversou com os pilotos o que tinha de falar e que a punição final de Verstappen pelos empurrões seguidos já está definida e será mesmo o serviço comunitário.
 
Irado por ter recebido um toque de Ocon quando liderava a corrida em Interlagos, Verstappen partiu para cima do antigo rival de F3 em 2014 e empurrou seguidas vezes. Esteban ficou com um stop & go de 10s na corrida e ainda tomou três pontos na carteira, enquanto Max pegou dois dias de serviço comunitário como punição pela reação.
 
Whiting lembrou que não foi a primeira vez que a F1 teve pilotos partindo para o contato físico, mas garantiu que a entidade não vai permitir que isso aconteça mais.
Câmeras flagram empurrões de Verstappen em Ocon após o GP do Brasil (Foto: Reprodução)
"Nós já tivemos essa conversa com eles, acho também que os comissários deixaram a situação bem clara. Sejamos realistas, isso já aconteceu várias vezes no passado. Todos nós sabemos disso. Não houve nada de muito sério ali, só que nenhum contato físico deve ser tolerado", disse ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
 
Whiting repudiou também a fala de Christian Horner, que afirmou que Ocon saiu no lucro com apenas uns empurrões, mas mostrou-se compreensivo quanto ao comportamento de cabeça quente do chefe da Red Bull.
 
"Não é bom ouvir uma coisa dessas, mas, no calor do momento e tendo perdido a corrida daquele jeito, consigo entender um comentário assim", completou.