F1

Diretor da Renault defende megafone da Mercedes e afirma que discussões sobre som não podem sair do controle

Rob White disse que a tentativa da rival alemã em instalar um megafone no carro para o som ser amplificado foi feita “com boa intenção”, e que carros soam como esperado
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 2014-f1-test-catalunya-megafono
A Renault defendeu a tentativa da Mercedes em instalar megafones em seus carros para aumentar o som do V6 turbo, atualmente muito debatido, dizendo que a tentativa foi feita com "boa intenção". Na F1, a montadora foi amplamente criticada pela ideia.
 
O megafone foi um projeto liderado pela FIA que a Mercedes abraçou com o apoio das rivais Ferrari e Renault. Até mesmo Nico Rosberg, porém, assentiu que a experiência não funcionou direito e que é preciso procurar outra solução para a questão.
 
Rob White, um dos diretores da Renault no projeto da F1, defendeu a experiência. Além de dizer que foi feita "com boa intenção" e que é uma tentativa de descobrir como resolver o problema sem mexer demais com o motor.
O megafone da Mercedes (Foto: Xavi Bonilla/Grande Prêmio)
"Não é algo que a gente possa deixar sair de proporção e tomar conta de tudo. Temos que correr e trabalhar dentro das regras. O trabalho no som está sendo feito pelo bem maior, mas não devemos dar atenção desnecessária", disse à revista inglesa 'Autosport'.
 
"O aparelho foi uma tentativa com boa intenção pelo grupo de engenharia da Mercedes para investigar o que pode ser feito sem mexer muito com a unidade de força", seguiu.
 
O dirigente ressaltou a necesidade em ouvir os fãs e tentar chegar ao denominador comum, mas afirmou que os motores V6 turbo soam como seu criadores esperavam que soassem, pois o novo modelo utiliza menos combustível que o V8 aspirado e é projetado para recuperar mais energia, perdendo menos em som.
 
"A chance de fazer uma mudança muito grande é bem limitada. Não acho que deveríamos fazer algo totalmente artificial, mas há uma oportunidade de fazer alterações modestas sem grandes artificialidades. Isso deve ser considerado no balanço das coisas que devem ser feitas tomando conta do produto", falou.
 
"Precisamos dar um show que as pessoas vão querer ver. Existem opiniões misturadas sobre se deve-se ou não levar em conta as opiniões de gente importante como fãs e organizadores. O problema deve ser bem definido. Se for, a F1 vai resolver da melhor forma possível", afirmou.
 
"A peça no carro da Mercedes, acredito que foi o mais conveniente a ser colocado no carro no momento. Ainda estamos no começo do projeto, na fase exploratória", encerrou.

A temporada da F1 segue na próxima semana, quando o Mundial chega ao Principado de Mônaco para sua sexta etapa. Com ou sem megafone, a Mercedes entra como grande favorita mais uma vez.