F1

Diretor da Renault define Toro Rosso como “carro a ser batido” e se irrita com força das ‘equipes B’ na F1

Cyril Abiteboul, diretor da Renault, pensa que a F1 sai manchada quando equipes como a Toro Rosso mostram potencial de pontear o pelotão intermediário. O dirigente também reclama da Haas, que “abriu um precedente” ao receber apoio da Ferrari
Grande Prêmio / Redação GP, de Berlim
A Renault não gostou do que viu na primeira sexta-feira (15) de treinos livres da temporada da Fórmula 1. As atividades em Melbourne levam o diretor Cyril Abiteboul a acreditar que a Toro Rosso é a equipe a ser batida no pelotão intermediário – e isso, por si só, já é motivo para certa irritação. Abiteboul pensa que a categoria tem “um problema” quando ‘equipes B’ começam a se destacar mais do que concorrentes.
 
“É só olhar para a Toro Rosso, que na minha opinião provavelmente é a equipe a ser batida nesse começo de temporada, dada a situação em que nós estamos”, reclamou Abiteboul, entrevistado pela TV britânica Sky Sports. “A Toro Rosso nem teve diretor-técnico na maior parte da temporada passada. Está bem claro o que aconteceu. Você nem precisa de um diretor-técnico para produzir um carro muito competitivo. Isso é um problema para nós”, continuou. Abiteboul faz referência à saída de James Key, apalavrado com a McLaren desde o segundo semestre de 2018.
A Renault se sente vítima da força das 'equipes B' da F1 (Foto: Renault)
A crítica de Abiteboul também se volta às outras equipes secundárias do grid, como a Haas, apoiada pela Ferrari. O dirigente acredita que a imagem da F1 fica manchada quando equipes tradicionais, como a Renault, saem prejudicadas por apoio de terceiros.
 
“Houve um antes e depois de a Haas criar um precedente”, apontou. “Não estou desafiando ninguém, só pergunto: como equipes como a nossa, como McLaren e Williams, vão avançar desse jeito? Além disso, para uma montadora que está fora da F1 e quer entrar, como eles vão pensar nisso seriamente se não é possível vencer sem uma equipe B? Essa é uma questão estratégica que precisamos considerar nas discussões de 2021. Para 2019 e 2020, já era. Estamos com essa situação. Mesmo assim, espero que em 2021 todos percebam quão séria é essa questão”, encerrou.
 
O melhor piloto do pelotão intermediário foi Kimi Räikkönen, sexto no TL2 ao anotar o tempo de 1min23s572. Curiosamente, na disputa particular de Renault e Toro Rosso, os franceses tiveram volta 0s4 mais rápida.