F1
18/02/2018 14:46

Diretor da Williams exalta necessidade do Halo na F1 e minimiza impacto visual: “Na segunda corrida ninguém vai mais notar”

O diretor-técnico da Williams, Paddy Lowe, é um dos grandes defensores do Halo na F1. De acordo com ele, é provável que o protetor salve vidas ou ao menos evite acidentes perigosos para os pilotos no futuro. Quanto ao lado estético, Lowe acha que rapidamente deixará de ser um incômodo
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Williams apresentou o FW41, carro para a temporada 2018 da F1 (Foto: Williams)

Após 2017 ter apresentado grandes mudanças estruturais nos carros da F1, o novo ano tem apenas uma diferença que se destaca em relação aos outros anos do Mundial. A entrada do Halo, a primeira proteção de cockpit da F1, recebeu muitas críticas e elogios durante os últimos meses. No entanto, na opinião do diretor-técnico da Williams, Paddy Lowe, logo ninguém vai perceber o protetor.
 
Lowe foi um dos grandes defensores da nova peça na F1. Segundo ele, o Halo é necessário para cobrir a última grande brecha de segurança dos carros na F1. É o Halo que vai impedir uma fatalidade no futuro, quando algum piloto tiver azar em dado acidente.   
 
"Eu fui grande entusiasta de realizar alguma melhora nessa área [de segurança do cockpit], que é o maior risco restante para pilotos de F1. Creio que lá pela segunda corrida ninguém vai mais notar", afirmou em entrevista à agência de notícias Reuters.
 
"Tivemos ao menos uma vez por ano, pelos últimos dois anos, um evento em que você pensa 'nossa, ele deu muita sorte, se livrou por pouco'. Acredito que seria apenas uma questão de tempo antes de dizermos que alguém não foi sortudo, mas azarado. Então é um bom projeto", disse.
Paddy Lowe é o novo diretor-técnico da Williams (Foto: Williams)

Durante os dois últimos anos, foram realizados diversos testes com o Halo - sempre implantado temporariamente nos carros -, sempre com desagrado geral na questão estética. Neste ano, com os cockpits desenvolvidos levando em consideração a peça, a aparência nos já apresentados carros da Haas e da Williams de Lowe é mais sutil. 
 
Na semana que vem, com todos os carros apresentados, a F1 volta às pistas para os testes de pré-temporada em Barcelona. No dia 25 de março, a temporada começa com o GP da Austrália.