Diretor da Williams lamenta falha e diz que Massa tinha ritmo suficiente para liderar e vencer GP do Azerbaijão

De acordo com o diretor-técnico Paddy Lowe, Felipe Massa poderia ter vencido o GP do Azerbaijão não fosse a falha de suspensão no carro da Williams na parte final da corrida. O engenheiro acha que o brasileiro tinha ritmo suficiente para a sustentar a liderança da prova

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Felipe Massa tinha ritmo suficiente para conquistar a vitória no GP do Azerbaijão não fosse a falha na suspensão traseira que o fez abandonar a corrida logo após a bandeira vermelha no último domingo. A opinião é do diretor-técnico da Williams, Paddy Lowe. 

 
Depois de largar em nono, Massa escalou o pelotão e surgiu em terceiro pouco antes da interrupção da prova, por conta dos detritos na pista, na volta 23. Porém, quando a corrida recomeçou, o brasileiro foi ultrapassado por Daniel Ricciardo, que acabou vencendo o GP azeri, depois da punição dada a Sebastian Vettel e do problema com o encosto de cabeça do carro de Lewis Hamilton – o inglês precisou de um pit-stop extra para o reparo da peça.
 
"Lamento muito o que aconteceu com Felipe. Não fosse o problema, ele poderia ter vencido e a Williams, por sua vez, poderia ter conquistado um pódio duplo. Foi uma falha em parte do sistema de amortecedores, que bloqueou a suspensão traseira", explicou o inglês, lembrando da terceira colocação de Lance Stroll em Baku.
Felipe Massa em Baku (Foto: Williams F1/Twitter)

"Isso aconteceu quando já estávamos perto da relargada, mas, na verdade, o problema surgiu no momento em que os carros deixaram o pit-lane. Não conseguimos antes detectar os dados. Mas não teríamos consigo corrigir esse problema durante a bandeira vermelha", completou.

 
Por isso, Lowe acredita que, não fosse a falha, Massa poderia ter vencido, de fato. "Nós vimos os problemas com Lewis e, depois, com Sebastian. Quando você junta tudo isso, percebe que Felipe poderia ter liderado a corrida e terminado em primeiro. É claro que havia um caminho longo a percorrer, mas ele tinha desempenho para sustentar a posição", afirmou o engenheiro, que ainda elogiou o trabalho do brasileiro à frente da Williams nesse ano.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

"Nunca trabalhei com ele antes, mas creio que está pilotando muito bem. Não posso culpá-lo, ele sempre pego o carro no limite, mas seus comentários são fantásticos, sua técnica é fantástica e ele é uma grande pessoa", concluiu.
 
A Williams não vence uma corrida desde o GP da Espanha de 2012, quando Pastor Maldonado subiu no degrau mais alto do pódio.
 
NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube