Diretor-técnico da Honda se diz surpreso com falha no motor de Gasly na Austrália e abre investigação

Toyoharu Tanabe afirmou à revista norte-americana ‘Racer’ que não houve qualquer problema no MGU-H durante os testes de inverno em Barcelona, onde a Toro Rosso acumulou quase 4.000 km. A peça, que foi o grande ‘calcanhar de Aquiles’ da fábrica durante os tempos de McLaren, foi a responsável pelo abandono de Pierre Gasly após apenas 13 voltas no GP da Austrália

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A Honda encerrou seu primeiro fim de semana de corrida em parceria com a Toro Rosso com um misto de preocupação e surpresa em razão da quebra do MGU-H que resultou no abandono de Pierre Gasly no GP da Austrália. No último domingo (25), o jovem francês completou apenas 13 voltas antes de recolher aos boxes da equipe italiana e deixar a corrida. Toyoharu Tanabe, diretor-técnico da Honda, disse que a peça não apresentou nenhum problema durante os testes de pré-temporada da F1, em Barcelona.

 
Diferente dos três últimos anos que marcaram a união frustrada entre Honda e a McLaren, a parceria entre a marca de Sakura e a Toro Rosso começou bem e com alta quilometragem nos testes de inverno: ao todo, Gasly e Brendon Hartley completaram 3.826 km em Barcelona e ficaram só atrás de Mercedes e Ferrari. Assim, a quebra do MGU-H — o grande ‘calcanhar de Aquiles’ da McLaren entre 2015 e ano passado, foi uma grande surpresa.
 
“Vimos algumas informações incomuns na telemetria relacionada ao MGU-H”, comentou o engenheiro em entrevista à revista norte-americana ‘Racer’. 
Pierre Gasly abandonou com uma falha no MGU-H do motor Honda na volta 15 em Melbourne (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
“Então agora vamos investigar os detalhes dos dados e também a peça em si, e pensar sobre o que podemos fazer para a próxima corrida. Não temos certeza se a peça está muito danificada. Temos de investigar para ver se ela pode ser utilizada novamente”, disse Tanabe.
 
O diretor-técnico da Honda explicou porque ficou surpreso com a falha que causou a saída precoce de Gasly da prova em Melbourne.
 
“Não tivemos problemas nesta área durante a pré-temporada, então essa é a primeira vez. Durante o período de testes para avaliar a quilometragem para as três unidades de potência para esta temporada não houve uma quilometragem perfeita porque usar três unidades significaria mais de 5.000 km”, ponderou.
 
“Na quilometragem que acumulamos não havíamos tido problema algum até agora, o que significa que não esperávamos problemas ou informações incomuns sobre a telemetria na primeira etapa”, salientou.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Hartley continuou na corrida e foi até o fim. Mas terminou em 15º e último dentre os que cruzaram a linha de chegada, com uma volta de atraso para o vencedor, Sebastian Vettel. Tanabe reconheceu que o neozelandês teve dificuldades, mas nada relacionado em relação a falhas no motor. Brendon enfrentou um furo no pneu durante seu segundo stint, mas ficou o tempo todo no fim do pelotão

 
“No caso de Brendon, também foi uma situação difícil, mas estamos satisfeitos com o nível geral de performance que pudemos ver nesta corrida”, complementou o diretor da Honda.
"RIDÍCULO E LEVIANO"

AJUDA DELIBERADA DA HAAS À FERRARI? NÃO FAZ SENTIDO ALGUM

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube