Diretor-técnico da Toro Rosso fala em “reação contraditória” por resultado de Verstappen e abandono de Sainz na Hungria

James Key se mostrou “contente e frustrado” ao mesmo tempo. O engenheiro britânico comemorou o quarto lugar de Max Verstappen no GP da Hungria, mas também lamentou o terceiro abandono consecutivo de Carlos Sainz Jr.

A Toro Rosso conquistou, no GP da Hungria do último domingo (26), seu melhor resultado na temporada 2015 da F1 até o momento. Graças ao surpreendente quarto lugar obtido pelo ainda adolescente Max Verstappen, o time de Faenza somou 12 pontos e voltou a acirrar a briga pelo quinto lugar do Mundial de Construtores. Porém, ainda que um lado dos boxes tenha comemorado demais o feito do holandês de 17 anos, o sentimento foi misto, já que Carlos Sainz Jr. teve de abandonar pela terceira vez consecutiva quando estava na zona de pontuação.

James Key, diretor-técnico da Toro Rosso e grande artífice do bem-nascido STR10, se mostrou contente e frustrado ao mesmo tempo. “Minha reação quanto ao resultado é contraditória, para ser sincero. Obviamente, foi uma grande pilotagem por parte de Max e um grande resultado para a equipe. Era o que precisávamos, já que significa que estamos próximos a Lotus e Force India, já que somente oito pontos separam o sétimo do quinto nos Construtores, bem no momento das férias”, declarou o engenheiro em entrevista ao site ‘F1i.com’.

Max Verstappen ficou perto de garantir um pódio histórico em Hungaroring (Foto: Getty Images)

“A Hungria era um tipo de circuito em que tínhamos de fazer um bom trabalho, já que é uma pista que se adapta ao nosso carro, e embora a classificação tenha sido decepcionante, nosso ritmo foi bastante bom. Entretanto, o aspecto negativo foi o abandono de Carlos. Sentimos por ele, já que foi a terceira vez seguida que ele abandonou estando na zona de pontuação”, comentou.

Logo após ter abandonado em Hungaroring, Sainz Jr. se mostrou bastante irritado. “Uma corrida que, sinceramente, dói. Acredito que pessoalmente estava fazendo tudo certo, estava tendo uma corrida muito boa. Chegaria em quinto ou sexto depois de todos os problemas que tivemos e, de repente, ficamos sem potência quando estava lutando com Fernando Alonso. Perdi pouco a pouco e finalmente tive de abandonar. Por isso me dá tanta raiva”, declarou o madrileno em entrevista à imprensa espanhola depois da prova na Hungria.

Chateado por mais um revés de Carlos, Key eximiu a Renault de culpa e assumiu a responsabilidade. “Estamos investigando o que aconteceu, mas parece que foi algo simples, um problema da Toro Rosso e não da Renault. Não deveria ter acontecido, já que antes não ocorreu”, declarou.

Assim como aconteceu em Silverstone, Sainz Jr. abandonou na Hungria (Foto: AP)

“A frustração vem porque ele estava atrás de Max, de modo que terminarmos em quarto e quinto era possível. Isso nos elevaria ainda mais na classificação”, acrescentou Key. Depois de nove corridas em 2015, a Toro Rosso soma 31 pontos e está em sétimo, contra 35 da Lotus e 39 da Force India, a quinta colocada.

Para Key, a Toro Rosso ficou muito perto de subir ao pódio na Hungria com Verstappen, que teve de lidar com uma punição, mas, mesmo assim, garantiu um grande quarto lugar. O único pódio conquistado pelo time de Faenza na F1 foi no GP da Itália de 2008, quando Sebastian Vettel venceu de forma épica em Monza.

“Sem a punição, poderíamos ter lutado pelo terceiro lugar quando Ricciardo fez sua parada. Observando os números, ficamos incrivelmente perto. De modo que estou contente e frustrado. Mas claramente a confiança mostrada por Max é muito boa antes da segunda parte da temporada. Isso nos coloca em forma para seguir lutando no resto do campeonato”, finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube