Dono de duas vitórias nas três primeiras corridas do ano, Vettel tem melhor início de temporada desde 2011

Há tempos Sebastian Vettel não tinha um início de temporada tão bom quanto em 2017. Há seis anos, o alemão também emendou 68 pontos nas três primeiras corridas do Mundial de 2011. Nem mesmo na acachapante campanha de 2013, quando ainda corria pela Red Bull, Seb teve um início tão marcante

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Meses depois de se tornar o mais jovem piloto a ser campeão mundial de F1 — com 23 anos, quatro meses e 11 dias —, Sebastian Vettel iniciou a temporada 2011 disposto a provar que a conquista do ano anterior não foi mera obra do acaso. E começou com tudo. Com nada menos que duas vitórias nas três primeiras corridas do campeonato, Austrália, Malásia e China. Vettel, então na Red Bull, somava então 68 pontos e já estava 21 à frente de Lewis Hamilton, na época piloto da McLaren. Levou seis anos para o alemão repetir o melhor início de campeonato da carreira. Até que a vitória no último GP do Bahrein consolidou a grande fase do tetracampeão.

 
No Mundial de 2011, Vettel teve uma campanha acachapante e se tornou campeão com quatro corridas de antecipação, na 15ª de 19 corridas daquela temporada, alcançando o título no GP do Japão daquele ano. Nas temporadas seguintes, Vettel ficou longe de repetir um início de Mundial tão positivo quanto o de 2011.
 
Em 2012, Vettel só foi vencer uma corrida na quarta etapa do campeonato, na mesma Sakhir onde triunfou no último domingo. Seb marcou um segundo lugar na Austrália, ficou fora dos pontos na Malásia e foi apenas quinto na China, enquanto Lewis Hamilton, no seu último ano pela McLaren, liderava o campeonato mesmo sem ter vencido nenhuma corrida, com três terceiros lugares e 45 pontos no Mundial.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Vettel coroou seu melhor início de campeonato desde 2011, quando nadou de braçada e faturou o bi da F1 (Foto: AFP)
No ano seguinte, Vettel teve a temporada mais vitoriosa da sua carreira e a segunda maior da história da F1, com 13 vitórias em 19 corridas disputadas. Michael Schumacher, em 2004, também marcou 13 vitórias, mas em 18 GPs. Mas a campanha de Vettel não começou tão impressionante como em 2011. O alemão cravou um terceiro lugar na Austrália, venceu na Malásia e foi apenas quarto na China, marcando 52 pontos nas três primeiras corridas do ano.
 
Já na temporada 2014, Vettel teve um começo dos mais difíceis depois de começar o ano sem pontos na Austrália, ser terceiro lugar no GP da Malásia e não passar de um sexto posto no Bahrein. Foi uma temporada tão difícil que Seb foi superado pelo seu novo companheiro de equipe na Red Bull, Daniel Ricciardo. No fim de semana do GP do Japão, em outubro, Vettel anunciava a sua transferência para a Ferrari.
 
Representando a mais tradicional e vitoriosa equipe do grid, Vettel sabia que não seria fácil lidar com uma Mercedes que já dominava a F1. Ainda assim, o tetracampeão foi muito bem, com pódio nas três primeiras corridas do ano e vitória logo no seu segundo GP com a Ferrari, na Malásia. Ao todo, Vettel somou 55 pontos, enquanto Hamilton despontava com os mesmos 68 pontos que Seb tem hoje.
Vettel também marcou 68 pontos nas três primeiras corridas de 2011 (Foto: Red Bull/ Getty Images/ Vladimir Rys)
Em contrapartida, 2016 foi bem mais difícil para o alemão. Embora estivesse ali no pódio em duas das três primeiras corridas da temporada — terceiro lugar na Austrália e segundo na China —, Vettel jamais conseguiu fazer frente aos carros da Mercedes, sobretudo Nico Rosberg, que teve um começo de ano perfeito vencendo não apenas nas três primeiras corridas do ano, mas também na Rússia. Nico tornou-se campeão do mundo ao fim daquele ano e, cinco dias depois de conquistar o título, se aposentou.
 
A vitória no último domingo em Sakhir consolidou o melhor começo de temporada de Vettel em seis anos, igualando a campanha de 2011 como a de início mais positivo considerando as três primeiras corridas do campeonato, marcando 68 pontos neste período.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Os tempos são outros. Vettel, desde 2015 na Ferrari, não deverá ter neste ano a mesma facilidade que teve em 2011 e também em 2013, na Red Bull, porque conta com um adversário muito forte e de uma equipe que está, no mínimo, no mesmo patamar da Ferrari: a Mercedes. Lewis Hamilton é o grande adversário de Vettel em sua luta pelo tetra em 2017. 

 
De qualquer forma, trata-se de um início dos mais positivos até para a própria Ferrari, que volta a ter um piloto vencendo duas das três primeiras corridas de uma temporada desde Michael Schumacher em 2004. 
 
PADDOCK GP #73 DEBATE: VERSTAPPEN É O PILOTO MAIS IMPRESSIONANTE DA F1?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube