Ecclestone admite que saída da Red Bull seria “ruim para o esporte”, mas diz: “Não estou preocupado porque não sei”

Bernie Ecclestone afirmou que não sabe se a Red Bull vai continuar na F1 ou não, e que Dietrich Mateschitz está avaliando se vale a pena seguir na categoria. Dirigente disse que não pode obrigar ninguém a vender motores para os rubro-taurinos

Todo mundo imagina que Bernie Ecclestone vai encontrar uma solução para o imbróglio envolvendo a Red Bull e sua possível saída da F1. Mas o discurso do chefão da categoria é de quem não sabe qual será o desfecho da história, tampouco pode interferir.
 
Ecclestone disse que não tem como exigir que alguma montadora venda motores para os rubro-taurinos, nem influência sobre a decisão que tomará Dietrich Mateschitz, o dono da empresa de bebidas energéticas.
Ecclestone disse que não sabe qual será o futuro da Red Bull na F1 (Foto: AP)
“Eu não estou preocupado porque não sei. Eu vou me preocupar quando tiver de me preocupar. Se eles saírem? Aí vai ser ruim para a F1, ruim para o esporte”, falou o britânico em Sochi nesta quinta-feira (8).
 
“A Red Bull não precisa me dar respostas. Eles estão no campeonato. Se não derem as caras, vamos saber”, comentou.
 
A respeito dos motores, Ecclestone afirmou: “Eu não posso forçar as pessoas a fazerem algo. A única coisa que posso fazer é impedir que vendam para mais de três times. Isso nós podemos fazer. Eles só podem ter o direito de fornecer motores para três equipes. Queremos que elas forneçam para mais gente”.
 
“A Mercedes está fornecendo motores para mais gente sem problemas. Fez um acordo com a Marussia, embora pelo o que eu saiba a Red Bull tenha pedido por motores antes. Mas eu imagino que eles pensaram ‘se a gente der motores da Red Bull, talvez eles possam nos vencer. Se der motores para a Marussia, talvez não’”, acrescentou.
 
Ecclestone ainda rechaçou a ideia de um boicote a Mercedes e Ferrari na transmissão de TV do GP do Japão. “As pessoas dizem que não tem ultrapassagem, então nós mostramos um monte de ultrapassagens. Na verdade, se você olhar para os números, eu acho que os times tiveram quase que o mesmo tempo de destaque na TV”, assegurou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube