Ecclestone propõe novo calendário com três corridas em sequência em 2016. Button rejeita ideia

Na encruzilhada entre oferecer quatro semanas de férias durante 2016 e finalizar o próximo Mundial de F1 ainda em novembro, Bernie Ecclestone sugeriu uma proposta polêmica ao acomodar os GPs de Cingapura, Japão e Malásia em três fins de semana consecutivos. Questionado sobre o assunto, Jenson Button entende que tal recurso “é demais para a F1”

A inchada programação do Mundial de F1 para a temporada 2016 começa a dor de cabeça às equipes e, principalmente, Bernie Ecclestone. Desde que o calendário provisório foi anunciado pela FIA (Federação Internacional de Automobilismo), com 21 etapas, os times do campeonato criticaram a previsão de apenas três fins de semana de férias durante o verão europeu. Depois, o dirigente supremo da F1 apresentou uma solução ao esticar a temporada, prevista para começar em 3 de abril, em Melbourne, para o primeiro fim de semana de dezembro, em Abu Dhabi.

Agora, para manter o campeonato se encerrando em 27 de novembro, Bernie apresentou outra solução, não menos questionável: realizar os GPs de Cingapura, Japão e Malásia de forma seguida, mais precisamente nos dias 25 de setembro, 2 e 9 de outubro, respectivamente. Obviamente, a ideia não agradou.

Ecclestone apresentou uma nova proposta de calendário para 2016. Mas Button não curtiu (Foto: AP)

Questionado sobre a nova proposta de calendário sugerida por Bernie, Jenson Button se mostrou totalmente contra.

“É fácil para os pilotos, mas é muito diferente para as equipes. Esses caras ficam muito tempo longe de casa, e isso é muito difícil não apenas por suas relações, mas também por suas famílias. Com todos em viagem, embalando e desembalando coisas para essas corridas, seria muito difícil. Com três corridas na sequência, particularmente, sinto que isso é demais para a F1”, bradou.

Outro nó que Bernie tem de desenrolar, até mesmo para facilitar a viabilidade da proposta, é que os organizadores do GP de Cingapura não querem uma proximidade maior com a etapa da Malásia, país vizinho. Em termos de logística, seria muito mais fácil alocar as etapas de Cingapura e Malásia com uma semana de diferença, já que a distância entre as localidades é muito curta. Já a distância entre os países em questão para o Japão é enorme: cerca de sete horas de voo.

Button lembrou que seria muito mais lógico realizar os GPs de Cingapura e Malásia no esquema chamado pelos britânicos de ‘back-to-back’, ou seja, de forma seguida. “Se você pensar que poderíamos ter Cingapura e Malásia na sequência, nós poderíamos ir dirigindo pra lá. São apenas 300 km de distância. Se você tiver uma boa corrida em Cingapura, então o pessoal ficaria encorajado em ir para a Malásia. Acho que isso poderia funcionar bem”, destacou.

Pela mudança proposta por Ecclestone, o GP da Bélgica, outrora programado para o fim de agosto, seria transferido para 4 de setembro, com a etapa da Itália prevista para acontecer duas semanas depois. E, após 15 dias, seria realizada a primeira de três corridas em sequência no Mundial, a começar por Cingapura e passando por Japão e Malásia antes de a categoria seguir para a ‘perna’ americana com os GPs de Estados Unidos, México e Brasil, encerrando a temporada 2016 em Abu Dhabi no último fim de semana de novembro.

F1, temporada 2016, calendário (proposta de Bernie Ecclestone):

3/4 Austrália
10/4 China
24/4 Bahrein
1/5 Rússia
15/5 Espanha
29/5 Mônaco
12/6 Canadá
26/6 Inglaterra
3/7 Áustria
17/7 Europa
31/7 Alemanha
7/8 Hungria
4/9 Bélgica
11/9 Itália
25/9 Cingapura
2/10 Japão
9/10 Malásia
23/10 EUA
30/10 México
13/11 Brasil
27/11 Abu Dhabi

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube