Elogiado na McLaren, Alonso diz que pista molhada impulsionou ritmo na China, mas volta a prever vida dura no Bahrein

Cheio de moral com a cúpula da McLaren depois de mais uma grande exibição na temporada, Fernando Alonso entende que só conseguiu andar a prova toda na zona de pontuação em Xangai graças às condições mistas da pista no último domingo. Contudo, sem previsão de chuva para o fim de semana no Bahrein, Alonso acredita que não terá uma jornada fácil

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Fernando Alonso guiou mesmo como um animal no fim de semana do GP da China, como ele mesmo definiu. Com uma pilotagem agressiva o tempo todo, o bicampeão do mundo vai tirando ‘leite de pedra’ de um carro com pouca potência, em razão do motor Honda, e também sem a menor confiabilidade. Enquanto esteve na pista no último domingo (9) em Xangai, Alonso fez quase um milagre e andou o tempo todo no top-10 até abandonar em razão de um problema no eixo de transmissão do seu MCL32.

 
A performance destacada de Alonso foi mais uma vez foco do elogio da cúpula da McLaren-Honda. Tanto Éric Boullier como Yusuke Hasegawa aplaudiram o trabalho do espanhol no circuito de Xangai. Mas o bicampeão é cauteloso sobre o que esperar deste próximo fim de semana no Bahrein, pista que recebe a terceira etapa da temporada. Sem as mesmas condições climáticas vividas nos últimos dias na China, Alonso espera por vida dura em Sakhir.
 
Stoffel Vandoorne, novato que ocupa o posto de titular da McLaren em 2017, também não teve melhor sorte. Com uma performance bem inferior a Alonso, o jovem belga de 25 anos não passou de um 14º lugar na corrida e também abandonou a corrida por problemas na injeção de combustível.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

Fernando Alonso já prevê vida dura com a McLaren no fim de semana em Sakhir (Foto: McLaren)
Alonso, dentro das limitações da McLaren, brilhou. Logo na primeira volta, pulou de 13º para nono lugar, andou sempre no grupo dos dez primeiros, disputou posições com a Mercedes de Valtteri Bottas — algo que o próprio Fernando considerou surreal — e com o compatriota Carlos Sainz, da Toro Rosso. Mas logo depois de ter sido ultrapassado pelo jovem espanhol, Alonso encostou com problemas na sua MCL32 quando parecia estar a caminho dos pontos.
 
“Com a pista úmida e escorregadia, Fernando fez uma largada perfeita, tendo um começo perfeito partindo de 13º, sendo já oitavo quando surgiu o safety-car virtual. Na sétima volta, ele já estava entre os seis primeiros, e lá começou uma dura batalha contra Carlos Sainz. Infelizmente, o grande começo dos nossos pilotos terminaria em nada. Fernando teve de abandonar por um problema no eixo de transmissão”, lastimou o diretor de corridas da McLaren, Éric Boullier.
 
Chefe da Honda para a F1, Hasegawa não deixou por menos e exaltou a performance agressiva de Alonso em Xangai. “Fernando teve uma excelente largada, realizando várias ultrapassagens, e cumpriu uma corrida muito boa até abandonar. Parecia que estávamos em um bom caminho rumo aos pontos, e o que torna mais decepcionante ainda o abandono dos nossos pilotos por problemas mecânicos”.
 
De volta à realidade, Alonso segue para o Bahrein ciente de que deverá ter uma jornada mais complicada no deserto em comparação com o que viveu no fim de semana.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

“Acho que as posições em que estávamos foram definitivamente uma combinação das condições da pista. O clima e as condições ajudaram. No Bahrein, sem previsão de chuva, acho que vai ser mais difícil, mas vamos tentar o melhor e espero repetir este tipo de performance”, declarou.

 
“Quando tivemos no seco, estávamos perdendo um pouco de terreno na comparação com as primeiras voltas. Acho que o Bahrein vai ser mais difícil, já que não deve chover lá”, finalizou.
 
PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube