Em dobradinha da Red Bull, Vettel domina segundo treino livre na Índia. Massa é apenas 15º

Sebsastian Vettel segue sem ter adversários na F1 na Índia. O piloto da Red Bull liderou o segundo treino livre em Buddh, ao bater Mark Webber por 0s118. Felipe Massa teve problemas e ficou somente com a 15ª colocação

Sebastian Vettel é uma espécie de dálit — intocável — da F1 na Índia. Mas ao contrário do que acontece no sistema de castas do país asiático, o alemão não está abaixo dos demais. Pelo contrário, no esporte a motor ele está no topo. Depois de vencer a etapa de Buddh de ponta a ponta em 2011, o piloto da Red Bull dominou os dois treinos livres disputados nesta sexta-feira (26). Na segunda atividade, o germânico cravou o tempo de 1min26s221 para terminar no topo da tabela de classificação com uma vantagem de 0s118 para Mark Webber.

O australiano, aliás, em nenhum momento foi uma ameaça ao companheiro de equipe, encerrando em segundo e completando a dobradinha da Red Bull. O time austríaco segue de olho na quarta vitória consecutiva em 2012.

Contando com algumas atualizações, Fernando Alonso colocou o carro da Ferrari em terceiro. Durante o treino, o bicampeão até chegou a liderar a atividade, mas logo acabou batido pela dupla da Red Bull. Nico Rosberg encerrou em quarto, enquanto Kimi Räikkönen foi o quinto.

Vettel não tomou conhecimento dos adversários e liderou de novo em Buddh (Foto: Red Bull/Getty Images)

Em um clima terrível de fim de feira, a McLaren não parece a mesma equipe que chegou a ter o carro dominante na metade do campeonato. Sem sequer entrar na briga pela liderança, Lewis Hamilton foi o sexto, uma posição à frente do companheiro de equipe, Jenson Button. Nico Hülkenberg, da Force India, concluiu em oitavo, seguido por Romain Grosjean e Bruno Senna.

Felipe Massa teve problemas durante a sexta-feira. O brasileiro, que havia liderado este mesmo treino há um ano, foi somente o 15º dessa vez. O piloto acabou rodando quando estava com pneus novos e por isso não foi capaz de melhorar o tempo.

Saiba como foi o segundo treino livre para o GP da Índia de F1

Kamui Kobayashi liderou o pelotão dos pilotos que abriram a segunda sessão de treinos livres para o GP da Índia. Na tomada de tempos da tarde desta sexta, em Buddh, Sergio Pérez, Heikki Kovalainen e Bruno Senna tiveram a primeira experiência de pista no circuito de Buddh neste ano. O treino começou com a temperatura bem mais alta na região do autódromo. Os termômetros marcavam 29ºC no ambiente e 38ºC no asfalto indiano.

Não demorou muito para que o primeiro piloto da tarde registrasse volta cronometrada. Jean-Éric Vergne marcou 1min37s147 logo com três minutos de treino. Bem diferente da equilibrada e movimentada primeira sessão do fim de semana, não houve tempo para execução de voltas de instalação à tarde. Com cinco minutos de treino, nada menos que 13 pilotos já haviam registrado tempos.

Sem os carros da Ferrari na pista, Romain Grosjean assumiu a liderança provisória do tempo após ter sido o primeiro piloto a andar abaixo de 1min30s. Mas logo a marca do franco-suíço seria destruída. Primeiro, por Daniel Ricciardo, com 1min29s503. Hülkenberg era o segundo, enquanto Senna vinha em terceiro, relegando Grosjean ao quarto posto.

Mark Webber tratou de colocar ordem no treino e posicionou a Red Bull na liderança do treino vespertino em Buddh. Ao marcar 1min28s847, o australiano pulverizou o tempo de Ricciardo, mas ainda estava bem longe do 1min27s619 registrado por Vettel pela manhã. Senna, por sua vez, vinha fazendo bela jornada no começo do treino, marcando o segundo melhor tempo.

Massa começou a tarde de maneira positiva, mas teve de cumprir o cronograma da Ferrari (Foto: ShellGP/Getty Images)

Por alguns segundos, Button chegou a assumir a liderança graças ao tempo de 1min28s548. Só que aí apareceu Vettel, o demolidor de recordes. Despontando como grande favorito ao título, Sebastian sobrou e registrou 1min28s064, assumindo a ponta do treino com certa tranquilidade. Em seguida, só para mostrar o poderio da Red Bull, Webber virou apenas 0s030 mais lento que Vettel, subindo para o segundo lugar.

Em sua segunda volta rápida, Alonso indicou que não pode ser descartado da luta pela vitória na Índia. O espanhol marcou um belo tempo e foi o primeiro a se aproximar da melhor marca da manhã ao cravar 1min27s785, ainda com pneus duros. Massa vinha em sétimo lugar, repetindo a colocação do primeiro treino, enquanto Senna vinha logo atrás, em oitavo.

Provando que não é um erro dizer que a temporada 2012 segue sendo bastante equilibrada, Hamilton tomou a ponta de Alonso por apenas 0s010, repetindo a disputa parelha com os rivais do grid, ocorrida pela manhã. Mas o espanhol deu o troco em seguida. E que troco! Fernando assinalou, até àquele momento, a melhor marca do fim de semana com 1min27s402. Em seguida, o bicampeão do mundo imprimiu velocidade constante para realizar testes aerodinâmicos.

Assim como Alonso, Massa também vinha melhorando constantemente em Buddh. Só que, em uma dessas passagens pela pista, o brasileiro, que vinha em quinto lugar, saiu de traseira na chicane da curva 11 — feita em quinta marcha — e rodou, parando em frente a uma placa de publicidade da Pirelli. Mas Felipe deu sorte e conseguiu voltar à pista sem problemas. Uma volta depois, Romain Grosjean rodou exatamente no mesmo ponto. O piloto da Lotus também conseguiu retornar à pista.

Ainda com pneus duros, Vettel destruiu o tempo de Alonso e deixou o espanhol para trás, marcando 1min27s256. Destaque para Senna, que vinha em uma boa quarta colocação — atrás somente de Vettel, Alonso e Lewis Hamilton —, 0s690 atrás de Vettel, enquanto Pastor Maldonado era apenas o 13º mais rápido na Índia. Massa, por sua vez, era o sétimo colocado.

Pela pintura, a impressão é que as arquibancadas estão cheias. Mas é justamente o contrário (Foto: Red Bull/Getty Images)

Enquanto Kamui Kobayashi completava um stint de 20 voltas correndo com pneus duros, Daniel Ricciardo foi o primeiro a deixar os boxes usando pneus macios. Kimi Räikkönen, décimo colocado pela manhã, também seguiu a tendência e equipou seu E20 com os compostos macios. E em sua primeira volta com o novo pneu, Kimi levou a Lotus ao terceiro lugar, atrás somente de Alonso e do líder Vettel. Em seguida, com 1min27s030, o finlandês pulou para a liderança do treino livre.

Era natural que as marcas despencassem em Buddh. Rosberg marcou 1min27s022, superou Räikkönen por meros 0s008 e colocou a Mercedes na liderança do treino. Alonso, 0s071 atrás do alemão, era o terceiro, seguido por Vettel e Webber. Senna vinha em oitavo, enquanto Massa, mesmo tendo rodado novamente na saída da curva 11, era o 12º. Só que foi Alonso o primeiro a baixar da casa de 1min27s na Índia nesta sexta-feira.

O bicampeão marcou 1min26s964 e subiu momentaneamente para a primeira posição. Vettel deu o troco e retornou à ponta. Mas coube à Red Bull a tréplica, depois que Webber, com 1min26s339, e Vettel, 0s118 mais rápido que o companheiro de equipe, se posicionaram à frente de Alonso. A diferença de 0s599 entre Vettel e o espanhol denota a grande vantagem técnica que o carro da Red Bull tem em relação à Ferrari.

Vettel, Webber, Alonso, Rosberg, Räikkönen, Button, Hülkenberg, Grosjean e Bruno Senna formavam o grupo dos dez primeiros colocados, enquanto Massa caiu para 15º. As colocações estavam praticamente mantidas, já que todos os pilotos optaram pelos testes com pneus macios com o carro em condições de corrida, ou seja, com tanque cheio. Dessa maneira, os tempos registrados ficaram bem mais altos.

Assim como aconteceu em 2011 em Buddh, — quando foi pole, venceu, fez a volta mais rápida e liderou todas as voltas da corrida —, Vettel abre o fim de semana do GP da Índia da mesma forma como encerrou a prova do ano passado: absoluto e inabalável na ponta.

F1, GP da Índia, Buddh, treino livre 2:

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube