Em meio à pandemia, Rússia prevê GP com 30 mil espectadores em setembro

Enquanto o presidente russo Vladimir Putin anuncia o registro da primeira vacina contra Covid-19, os organizadores do GP da Rússia de Fórmula 1 se empolgam e já pensam em liberar metade dos assentos nas arquibancadas em setembro, quando a categoria visita o Parque Olímpico de Sóchi

As primeiras corridas da temporada 2020 da Fórmula 1 foram realizadas com portões fechados por conta da pandemia de Covid-19. Para evitar contágio entre fãs, pilotos, membros das equipes e demais profissionais envolvidos com os eventos, a categoria optou por não permitir a entrada de espectadores nos autódromos, mas já cogita colocar um número limitado de fãs nas arquibancadas dos circuitos a partir de setembro.

O GP da Rússia, marcado para o dia 27 do nono mês, em Sóchi, tem uma ambição maior. Os organizadores da prova querem liberar 50% das arquibancadas, o equivalente a 30 mil fãs presentes no evento. Na terça-feira (11), o presidente russo, Vladimir Putin, divulgou que a vacina desenvolvida no país contra Covid-19, chamada Sputnik V, foi a primeira registrada no mundo, apesar de ter a eficácia questionada pela comunidade médica internacional.

“Por três meses não estivemos engajados na venda de ingressos. Agora eles estão retornando aos poucos, após o governo anunciar a volta da corrida e com nosso recente anúncio do programa de entretenimento. É prematuro falar sobre o número de ingressos vendidos, mas o cenário é mais claro a respeito das restrições devido à pandemia do novo coronavírus”, disse Alexey Titov, diretor-executivo do GP da Rússia, em entrevista à revista britânica Autosport.

Sóchi recebe a Fórmula 1 desde 2014 (Foto: F1)

“No momento, discutimos a possibilidade de 50% do total da capacidade do Parque Olímpico de Sóchi. Isso significa que o número máximo de fãs não vai passar de 30 a 32 mil. Sim, teremos espectadores, mas não vai ter presença de pessoas passeando pelos boxes ou sessões de autógrafos”, completou.

A Fórmula 1 tem adotado medidas sanitárias severas para evitar casos de Covid-19 no paddock. Até o momento, apenas três pessoas testaram positivo, incluindo Sergio Pérez, piloto da Racing Point. Titov diz estar ciente do protocolo obrigatório da categoria e não pretende descumprir.

“Não teremos as tradicionais entrevistas pelo paddock, pois ele continua fechado. O protocolo também se aplica aqui. Deste ponto de vista, a corrida na Rússia não vai ser diferente das demais provas. A única diferença é que os fãs vão estar nas arquibancadas torcendo por seus pilotos preferidos”, afirmou o dirigente.

A Rússia foi um dos poucos países na Europa a liberar espectadores nos eventos esportivos. No futebol, o Campeonato Russo liberou 10% da capacidade dos estádios para torcedores. A falta de uso de máscara e as aglomerações, atitudes não recomendadas por organizações de saúde, são vistas com frequência.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar