F1

Equilibrada, Mercedes larga como favorita em Abu Dhabi. Ferrari depende da largada e Red Bull, do acaso

A Mercedes confirmou o favoritismo mais uma vez. Só o carro prata larga da pole em Abu Dhabi nesta era híbrida da F1 e não será diferente domingo. Novamente com uma volta voadora, Lewis Hamilton se impôs com um W09 equilibrado, mas sem ser o mais veloz
Warm Up / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba
 Lewis Hamilton (Foto: AFP)

Somente a Mercedes larga da primeira fila em Abu Dhabi nesta era de motores V6 híbridos na F1. Ou seja, são cinco dobradinhas consecutivas, um feito inédito no Mundial. E coube a Lewis Hamilton puxar o 1-2 da equipe prateada. O #44 foi capaz de extrair tudo de seu W09 na fase decisiva da classificação ao virar 1min34s794, calçado com os pneus hipermacios. De fato, o pentacampeão já ocupava o posto de favorito, diante dos resultados dos treinos livres, mas acabou encontrando na Ferrari de Sebastian Vettel uma ameaça, especialmente de devido a maior velocidade de reta da SF71H. Só que o inglês, de novo, soube fazer aquilo que parece ser imbatível: uma volta próxima da perfeição.
 
Mesmo sem ter as melhores parciais em dois dos três setores da pista árabe, Hamilton foi soberano e alcançou não só a 11ª pole da temporada, como também a 83ª da carreira e a 52ª nas últimas 100 corridas. Parece claro que, neste quesito, ninguém é páreo mesmo para esse britânico. A verdade é que o carro alemão também se mostrou equilibrado neste sábado (24). Depois de sofrer com a aderência na sexta-feira, a esquadra chefiada por Toto Wolff encontrou o melhor acerto para o carro em termos aerodinâmicos e conseguiu balancear as perdas, para colocar seus dois carros na primeira fila.
Lewis Hamilton e Sebastian Vettel (Foto: AFP)
Como a Ferrari, a Mercedes também vai iniciar a corrida com os pneus ultramacios – a gama intermediária e de menos desgaste. A ideia é ter apenas um pit-stop. Neste caso, os prateados vão para a mesma estratégia conservadora do GP do Brasil. Ou seja, para e troca para os supermacios, completando a prova. Pelo desempenho até aqui, a esquadra pentacampeã pode se dar ao luxo de trabalhar com a cautela. Até porque enfrenta problemas maiores que suas rivais com relação à degradação dos pneus. 
 
A equipe italiana vai, a princípio, para a mesma tática. Mas Vettel foi o único a usar dois jogos de pneus ultramacios na classificação, e isso quer dizer que o alemão tem um set novo de hipermacios, o que também significa que os vermelhos têm uma margem maior de manobra em termos de estratégia, especialmente se abrir uma oportunidade, que pode ser na largada. Ainda que os rivais prateados larguem com estampa de favoritos, os carros de Maranello têm maior velocidade e trabalham melhor em cima dos compostos de cor rosa. E não sofrem demasiadamente com o desgaste. Conta ainda com a natureza de difícil ultrapassagem de Yas Marina. 
Daniel Ricciardo (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Depois de uma sexta-feira forte em termos de simulação de corrida, a Red Bull acabou bem atrás das adversárias. De fato, os energéticos não tinham performance suficiente para encarar Mercedes e Ferrari pela pole, mas a diferença na tabela foi maior que a esperada. Por isso, mesmo que Max Verstappen vem forte nas voltas inicias, em função dos hipermacios, só o acaso poderia ajudar, uma vez que o desgaste é grande, além da própria pista. Já Daniel Ricciardo vem na mesma tática das oponentes. Mas, de novo, somente uma mudança muito drástica na frente auxiliaria os austríacos agora. 

O GRANDE PRÊMIO acompanha AO VIVO e em TEMPO REAL o fim de semana do GP de Abu Dhabi, o último da temporada 2018 da F1. Siga tudo aqui.