Ericsson destaca pilotagem e estratégia em “corrida perfeita” para encerrar seca de 50 etapas sem pontos

Marcus Ericsson encerrou um jejum gigantesco de corridas sem pontuar. O sueco teve grande exibição no Bahrein e destacou a dificuldade que teve para não cometer exageros e salvar a estratégia

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Marcus Ericsson foi um dos destaques do GP do Bahrein. Após uma série de 50 corridas sem marcar um ponto sequer, o sueco brilhou com a Sauber e, juntando uma ótima pilotagem com uma estratégia certeira, chegou na nona colocação e somou dois tentos para o time suíço.

 
Ericsson comentou que o resultado começou a ser construído pela equipe bem antes da largada, quando a Sauber optou por esquecer a classificação e focar em um acerto para a corrida. Aliás, Ericsson largou apenas no 17º lugar.
 
"Acho que foi um final de semana positivo. Nós ficamos ali no meio do pelotão intermediário, onde tudo é muito apertado. No sábado, decidimos já focar mais no acerto de corrida que no de classificação e sabíamos que isso poderia nos render um desempenho bem forte na corrida", disse.
Marcus Ericsson brilhou no Bahrein (Foto: Sauber)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Outro ponto positivo foi a largada, que fez o sueco ganhar algumas posições logo de cara e, consequentemente, ter margem para apostar em uma tática ousada com apenas um pit-stop.

 
"Obviamente, uma ótima largada e primeira volta seriam essenciais e isso aconteceu. Eu já estava ali andando em 12º, 13º, então estava tudo pronto para usarmos a nossa estratégia. A gente sabia que a nossa chance era fazer uma parada e conseguir segurar bem combustível e pneus. Era aquilo: tinha de andar no limite, mas nunca acima dele", seguiu.
 
O limite foi o dilema de Ericsson na prova, que sabia que não podia perder muito tempo disputando posições. Aliás, Marcus agora acredita que a Sauber vai ter um ano bem mais tranquilo que os anteriores.
 
"A segunda metade da corrida foi tensa. Vinham carros mais rápidos e de pneus novos para cima de mim e eu sabia que brigar ali seria perda de tempo. Ao mesmo tempo, não queria deixar ninguém passar, fui ali fazendo o que dava. Tudo foi pensado no resultado final e, assim, acho que foi uma corrida perfeita. Tanto na pilotagem, quanto na estratégia e no trabalho coletivo. Estou muito orgulhoso de todos, trabalhamos muito duro, muita coisa mudou desde a chegada da Alfa Romeo e marcar pontos logo na segunda corrida é um baita sucesso", completou.

CEDO DEMAIS?

ALONSO ENTRA NO ‘MODO EMPOLGOU’ ANTES DO TEMPO

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube