F1

Espanhola María de Villota é encontrada morta em quarto de hotel em Sevilha

A pilota espanhola María de Villota foi encontrada morta na manhã desta sexta-feira (11), em um quarto de hotel na cidade de Sevilha. Na próxima semana, ela lançaria sua autobiografia, “A vida é um presente”
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 header2

As imagens da vida e da carreira de María de Villota
Na última entrevista, María celebrou recuperação: "Começo a segunda vida"
Laudo de autópsia indica sequela de acidente em 2012 como causa da morte

Morreu nesta sexta-feira (11) a pilota espanhola María de Villota, 33, na cidade de Sevilha. Ela foi encontrada no quarto do hotel onde estava hospedada por volta das 7h30 locais (2h30 no horário de Brasília), já sem vida, segundo informações veiculadas por vários veículos de comunicação da Espanha.
María de Villota, 33, foi encontrada morta na manhã desta sexta-feira (Foto: Divulgação)
Filha do ex-piloto de F1 Emílio de Villota, María seguiu os passos do pai e também chegou à categoria máxima do automobilismo, como pilota de testes da Marussia.

A mulher se tornou exemplo de superação ao dar a volta por cima após um gravíssimo acidente sofrido em julho de 2012 durante um teste aerodinâmico na base aérea de Duxford, no Reino Unido. Na ocasião, o carro que ela conduzia acelerou subitamente enquanto ela parava e se chocou contra a rampa de carregamento de um caminhão que estava estacionado à beira da pista.

De Villota foi internada em estado gravíssimo e fez diversas cirurgias no crânio, além de ter perdido o olho direito, o olfato e o paladar, mas conseguiu se recuperar. A pilota lançaria, na próxima segunda-feira, o livro “A vida é um presente”.

De acordo com a imprensa espanhola, não havia sinais de violência, tampouco medicamentos ou drogas junto ao corpo. Inicialmente atribuída a "causas naturais", sua morte se deu por sequelas neurológicas em função do acidente de 2012, de acordo com o laudo preliminar divulgado após a realização de uma autópsia.

No Facebook, a família da pilota publicou a seguinte nota: “Caros amigos: María nos deixou. Ela teve de ir para o céu, como todos os anjos. Somos gratos a Deus pelo ano e meio a mais que Ele a deixou conosco.”

Em entrevista no mês de abril, De Villota comentou sobre a recuperação e, emocionada, afirmou: “Venci a corrida da minha vida.” Meses antes, na primeira aparição pública que fez após o acidente, a espanhola contou detalhes de quando saiu do coma e compreendeu o que havia acontecido e as sequelas provocadas pela tragédia.

Ao longo da carreira, María competiu em diversos certames, incluindo a F3 Espanhola, Ferrari Challenge, WTCC, Campeonato Espanhol de GT e a F-Superliga. Em 2013, ela vinha atuando na Comissão de Pilotos da FIA, ao lado de nomes como Emerson Fittipaldi, Sébastien Loeb e Nigel Mansell.

Seu corpo será cremado na tarde deste sábado (12), em Sevilha, e seus restos mortais serão transportados para Madri, sua terra natal. Na capital espanhola, os funerais serão realizados apenas para familiares e amigos mais próximos.