Ex-médico da F1 elogia equipe que trata Schumacher na França: “Está em muito boas mãos”

O ex-médico-chefe da FIA, Gary Hartstein, elogiou o time do Centro Hospitalar Universitário de Grénoble diante de um caso que, ao ser ver, foi uma luta “minuto a minuto” contra a morte na segunda-feira

Acompanhe o noticiário completo sobre o acidente de Michael Schumacher

 

O norte-americano Gary Hartstein, ex-médico-chefe da FIA, disse que Michael Schumacher está em “muito boas mãos” no Centro Hospitalar Universitário de Grénoble. Acompanhando o drama do heptacampeão mundial de F1 à distância, ele elogiou os colegas de profissão que receberam o piloto na tarde de domingo após um grave acidente de esqui na estação de Méribel, nos Alpes Franceses.

Schumacher já foi submetido a duas cirurgias no cérebro e segue em condição estável na França. Isso significa que o estado é crítico e ainda há risco de vida.

Em texto publicado em seu blog, Hartstein comentou o trabalho que está sendo realizado com o alemão. “Não importa a mínima se esse ou aquele neurocirurgião ou neurologista famoso faria isso ou aquilo com o tratamento de Michael. O ponto é que esses caras são espertos, eles estão conversando entre si e com a família e parecem tecnicamente capazes de fazer o trabalho”, afirmou.

Schumacher sofreu um sério acidente de esqui no último domingo (Foto: Ferrari)

O CHU de Grénoble é um centro de referência nos Alpes Franceses no tratamento de acidentes de esqui, e os médicos de lá estão habituados a tratar casos como o de Schumacher. O time que toma conta do maior campeão da F1 é liderado pelo anestesista Jean-François Payen.

Para Hartstein, a decisão de operar o germânico pela segunda vez foi acertada, embora difícil. “Parece-me que a pressão intracraniana de Michael estava horrivelmente e persistentemente alta ontem, apesar de o osso do lado direito não ter sido totalmente fechado. Essa foi uma decisão padrão e totalmente normal no domingo, na sala de cirurgia”, analisou.

O médico disse que esse procedimento visava ganhar tempo. Quando Schumacher apresentou uma pequena melhora, a equipe e a família chegaram à conclusão de que seria bom operar o piloto pela segunda vez e drenar o hematoma que estava do lado esquerdo do cérebro, apesar do risco.

“Isso me leva a pensar em como Michael estava mal na segunda-feira. Esses caras estavam fazendo tudo o que sabem para ajudá-lo e merecem muito crédito. Mas esse era um caso de sério risco de morte, minuto a minuto”, avaliou.

Finalmente, Hartstein ressaltou a gravidade das lesões. “Sejam pacientes. Isso vai levar muito tempo”, encerrou.

Após a divulgação de um novo boletim nesta manhã, Hartstein avaliou que, no momento, é bom que Michael tenha uma condição estável.

As imagens da carreira de Michael Schumacher

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube