F1

Executivo norte-americano confirma interesse em comprar Manor e sonha com contratação de Earnhardt Jr.

Tavo Hellmund, executivo americano, está interessado em comprar a Manor e formar a segunda equipe americana da F1 em 2016. O possível comprador já sonha com grandes nomes na esquadra, como Dale Eanrhardt Jr., astro da Nascar

Warm Up / Redação GP, de Porto Alegre
A Manor, envolta em uma nova crise após a saída de dirigentes, pode voltar a trocar de mãos ao final da temporada 2015. E se depender do executivo Tavo Hellmund, a F1 terá duas equipes norte-americanas no grid em 2016.
 
Hellmund, que já havia sido apontado como um possível comprador, enfatizou que pode trazer um projeto mais sustentável para a F1. O executivo, que ajudou a promover a volta do GP dos Estados Unidos à F1, mantém os pés no chão e afirma que não pretende lutar pelas primeiras posições. O objetivo seria, dentro de um orçamento limitado, conseguir resultados e estabilidade financeira.
A Manor, que já andou com a bandeira dos EUA, pode virar americana de vez (Foto: Getty Images)
“Nosso objetivo nunca seria competir com equipes de fábrica. Nunca vamos gastar 400 milhões de dólares por ano como Mercedes, Red Bull, Ferrari e McLaren. Mas pensamos que você pode ser um competidor respeitável sem ficar no vermelho. Penso que dá para brigar pelo quinto lugar”, contou Hellmund.
 
Tavo contou que o acordo entre Manor e Mercedes, que prevê o fornecimento dos motores germânicos à nanica, é o que chamou a atenção do seu grupo de empresários.
 
“A Manor chegou a um acordo e vai conseguir motores Mercedes no próximo ano, o que é um passo adiante, em oposição ao velho motor de um ano e meio atrás da Ferrari”, argumentou.
 
Se confirmar a aquisição, Hellmund sonha com uma dupla de pilotos 100% americana, algo raríssimo na F1. Tavo já fala em grandes nomes como Dale Earnhardt Jr., astro da Nascar e filho da lenda Dale Earnhardt. Ao seu lado, o executivo gostaria de manter a promessa Alexander Rossi na F1. Pascal Wehrlein, protegido da Mercedes, é uma preferência dos atuais donos da Manor.
Dale Earnhardt Jr., sonho de consumo de Hellmund (Foto: Getty Images)
Hellmund, todavia, entende que os prazos são curtos. Se os acordos não forem fechados o mais cedo possível, o grupo de empresários pode trocar de ideia.
 
“Acho que temos tempo até o fim de janeiro, fevereiro. Pode ser tarde demais, e então eu e meus parceiros provavelmente perderíamos o interesse”, finalizou.