F1 reage a conflito, encerra contrato com promotor e veta GPs na Rússia “no futuro”

O braço comercial da F1 considerou que é impossível correr no país em meio à invasão russa a território vizinho. A corrida em Sochi estava prevista para setembro e a expectativa era de uma mudança para São Petersburgo em 2023

COMO MERCEDES E RED BULL JÁ SE ENFRENTAM NA FÓRMULA 1 2022

O GP da Rússia não vai mesmo acontecer. A Fórmula 1 anunciou nesta quinta-feira (3) que encerrou o contrato que tinha com os promotores da corrida na esteira do conflito entre o país comandado por Vladimir Putin e a Ucrânia.

Os detentores dos direitos comerciais da F1, que são os responsáveis pelo calendário do campeonato, consideraram que correr no país é impossível diante da invasão russa ao território da Ucrânia. A realização da corrida estava em xeque desde a semana passada, quando os soldados de Putin começaram a atacar o território ucraniano.

SÓCHI; GP DA RÚSSIA; FÓRMULA 1; F1;
Sóchi recebe a F1 desde 2014 (Foto: Scuderia Ferrari)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“A Fórmula 1 confirma que terminou seu contrato com a promotora do GP da Rússia. Isso significa que o país não vai receber uma corrida no futuro”, disse o comunicado.

A presença da F1 na Rússia estava fortemente atrelada à imagem de Putin, que foi peça-chave para garantir a realização da corrida inaugural, em 2014. Além disso, o mandatário tem um palácio em Sóchi e é natural de São Petersburgo, que passaria a receber o campeonato a partir de 2023.

Diferente do braço comercial da Fórmula 1, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) adotou uma postura um tanto mais branda e optou por não barrar pilotos russos. A entidade máxima do esporte decidiu apenas que eles terão de correr com bandeira neutra, usando as cores da própria entidade.

Entretanto, a postura do órgão diverge fortemente de outras entidades esportivas mundiais, que têm barrado atletas russos. A Fifa, por exemplo, vetou a seleção nacional e equipes do país de competições internacionais. Já o Comitê Olímpico Internacional recomendou que atletas da Rússia e de Belarus ― que tem ajudado na invasão à Ucrânia ― não sejam convidados ou liberados para participar de competições.

PIETRO FITTIPALDI É MELHOR OPÇÃO PARA SUBSTITUIR MAZEPIN NA F1?
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar