Alonso se cansa de coletivas de imprensa em sequência na F1: “Muito chato e repetitivo”

Fernando Alonso entende que “não há nada a dizer” e que daria para fazer um copia e cola para suas declarações nas últimas três etapas da F1 em 2021

ACHAMOS OS DONOS DA BANDEIRA DE HAMILTON NO GP DE SP DE F1 | TT GP #39

No jargão popular bem brasileiro, dá para dizer claramente que Fernando Alonso está de saco cheio e só espera mesmo pelo fim da temporada 2021 da Fórmula 1. Ciente das limitações da Alpine nesta reta final de campeonato, o bicampeão mundial entende que não há muito a dizer e que dificilmente vai conseguir um resultado diferente de um oitavo ou nono lugar, colocação nos GPs da Cidade do México e de São Paulo. Por isso, o espanhol de 40 anos se mostrou cansado diante das muitas entrevistas coletivas que tem a conceder ao longo de um fim de semana de GP. “Tudo é muito chato, tudo é muito repetitivo”, bradou.

Via de regra, os pilotos concedem entrevistas de forma maciça às quintas-feiras, o chamado Media Day, com declarações sobretudo às emissoras de TV que detém os direitos de transmissão da Fórmula 1, mas também, para a mídia impressa, algo facultativo aos pilotos. Na sexta-feira, sábado e domingo, os competidores voltam ao cercadinho, espaço alocado para falar com as emissoras de TV e também à mídia impressa. No domingo, ainda há uma outra entrevista, à transmissão oficial da F1, na parada dos pilotos, cerca de uma hora e meia antes da largada.

Com tantas entrevistas num espaço curto de tempo e diante de uma reta final de temporada sem muitas expectativas, Alonso foi sincero e admitiu: tudo é muito chato porque realmente não há muito o que dizer.

LEIA TAMBÉM
+Bandeira de gesto histórico de Hamilton em Interlagos era de fã de Verstappen

FERNANDO ALONSO; F1; ALPINE;
Fernando Alonso revelou cansaço com série de entrevistas na F1 (Foto: Alpine)

“É muito, muito repetitivo. Nada contra você”, disse Alonso em entrevista à reportagem do site alemão Motorsport-Total.

“É que a Fórmula 1 é muito aberta à mídia. Fazemos uma coletiva de imprensa na quinta, sexta-feira, sábado pela manhã, sábado à tarde, no domingo, no desfile dos pilotos, e logo depois da corrida. E não há nada a dizer, realmente”, disparou.

Fernando foi além e disse que daria tranquilamente para fazer um copia e cola das suas declarações prévias para as três próximas e derradeiras corridas da temporada. “Em princípio, podemos fazer as mesmas declarações para o Catar, Jedá e Abu Dhabi. Acho que o mais interessante é a luta pelo título com [Lewis] Hamilton e [Max] Verstappen”.

Realista, Alonso tratou de frear qualquer expectativa sobre uma ida ao pódio nesta temporada. O melhor resultado do espanhol foi o quarto lugar no GP da Hungria, vencido de forma surpreendente pelo seu companheiro de equipe, Esteban Ocon.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

“Entendo os fãs em casa, ou os meus fãs, porque li algumas coisas que diziam sobre pódio no Catar, ou ‘é hora do pódio no Catar’. E gostaria de responder: ‘Não, não haverá pódio’”, cravou o veterano. “Fizemos tantas corridas e terminamos em oitavo às vezes, às vezes me nono. Não vai ser muito diferente nas últimas três corridas, lamento dizer”, concluiu.

A Fórmula 1 acelera neste fim de semana com o debutante GP do Catar, que será disputado no circuito de Losail. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades de pista AO VIVO e em TEMPO REAL.

Todos os ângulos da polêmica disputa entre Max Verstappen e Lewis Hamilton no Brasil (Vídeo: Fórmula 1)
Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar