Alonso lamenta abandono no Bahrein, projeta ano positivo, mas diz: “Ainda não estou 100%”

Fernando Alonso abandonou o GP do Bahrein na volta 32 após ter problemas com os freios na corrida. Apesar da natural frustração, o bicampeão ressaltou a proximidade do pelotão intermediário, confessou não estar 100% readaptado a categoria e projetou melhores finais de semana na temporada

Dois anos e três meses longe da Fórmula 1, Fernando Alonso retornou à categoria neste fim de semana de GP do Bahrein. Porém, a reestreia não foi totalmente de acordo com o planejado pelo bicampeão. Depois de surpreender no sábado ao passar para o Q3 e conquistar o nono lugar no grid em Sakhir, o veterano de 39 anos apresentou bom ritmo e protagonizou boas batalhas na pista, contra o tetracampeão Sebastian Vettel e também contra o novato Yuki Tsunoda. No entanto, o piloto da Alpine sofreu um problema inusitado: um saquinho de embalar lanche se enroscou no duto do freio traseiro, o que decretou o fim de prova precoce para o espanhol na volta 32. Mas apesar do abandono, há coisas boas a tirar do fim de semana de regresso à F1.

“Tivemos alguns problemas de freio no final que evitaram que víssemos a bandeira quadriculada. Aparentemente, alguns pedaços de carros se infiltraram no duto de freio. No começo, nas primeiras voltas, desfrutei de algumas batalhas com meus velhos companheiros. Mas, obviamente, estou decepcionado por não ter visto a bandeira quadriculada”, declarou.

Ainda na entrevista que concedeu ao site oficial da Fórmula 1, Alonso seguiu analisando a corrida e aproveitou para fazer projeções a respeito do pelotão intermediário, grupo ao qual o piloto encaixa a Alpine.

“O pelotão do meio estará muito parelho. Em alguns GPs, alguns carros estarão melhores e, em outros, o cenário será melhor para outras equipes. Estaremos nesse meio e sou otimista, podemos ter uma boa temporada, especialmente em alguns finais de semana que jogarem a nosso favor”, disse.

“Estou feliz por correr próximo das McLaren, à frente de uma Ferrari e atrás de outra no primeiro stint. Me senti competitivo neste grupo. Há pontos positivos para tirarmos dessa corrida e devemos acreditar. Teremos melhores finais de semana, mais cedo ou mais tarde”, comentou Alonso.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Fernando Alonso ficou com a maior velocidade do GP do Bahrein, espanhol anotou 330.2km/h (Foto: Beto Issa)

Após deixar a McLaren em 2018, Alonso fez um pouco de tudo: disputou novamente a Indy 500, venceu as 24 Horas de Le Mans e de Daytona e correu até no Dakar. O regresso ao Mundial de F1 é o retorno de Fernando ao velho habitat, mas reforçou que vai ser preciso ainda algum tempo para se adaptar.

“Ainda não estou 100%. Ganhei algumas disputas, mas perdi outras. Preciso ter mais ritmo, confiança para extrair o máximo dos freios, nas saídas de curva e do carro. Tenho uma boa margem de melhora. Cometi alguns pequenos erros, como não posicionar bem o carro no segundo pit-stop”, declarou o espanhol.

Otimista para o restante da temporada, Alonso ressaltou o bom ritmo do carro da Alpine na prova e projetou que melhorias deverão acontecer para as próximas provas. “Estivemos próximos da Ferrari e da McLaren, e é assim que será. O carro tem de melhorar nas próximas corridas. Espero dar um passo à frente, e os bons finais de semana vão chegar, mais cedo ou mais tarde. Faltam para nós algumas corridas para identificar as dificuldades e apontar nossas qualidades, mas podemos ter um ano positivo, pois o pelotão intermediário estará muito próximo e, em alguns finais de semana, as coisas estarão ao nosso favor”, finalizou o piloto.

A Alpine saiu sem pontos da etapa inaugural do campeonato, visto que Alonso abandonou a prova e Esteban Ocon terminou a corrida na décima terceira posição, três posições abaixo da zona de pontuação.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube