Ferrari confirma força em classificação, mas precisa ser perfeita para tentar vitória nos EUA

Desde sexta-feira estava claro que a Ferrari tinha algo a mais em Austin. E o desempenho em volta única ratificou o acerto da F1-75. Carlos Sainz foi preciso ao assegurar a pole e está em uma forte posição para tentar a vitória, mas os italianos precisam ser perfeitos. Afinal, mesmo em dificuldades, a Red Bull cresce no domingo, e Max Verstappen não tem o costume de deixar passar qualquer oportunidade de acrescentar mais um número a sua já impressionante temporada

O Circuito das Américas não tem sido uma pista particularmente interessante e competitiva para a Ferrari nos últimos anos. E a prova disso é que a pole-position conquistada por Carlos Sainz neste sábado (22) é apenas a primeira da escuderia italiana no traçado texano – que recebe a F1 desde 2012. Além disso, a única vitória dos vermelhos aconteceu em 2018, ainda com Kimi Räikkönen. Só que, desta vez, a esquadra chefiada por Mattia Binotto parece ter encontrado um caminho para desbravar a América. Mas para que tudo dê certo é importante que os planos sejam perfeitos, especialmente diante de uma Red Bull mais afinada aos domingos.

De forma geral, a Ferrari tem realmente um carro muito melhor de classificação do que de corrida – 12ª pole da temporada. A volta única é um trunfo e, no caso de Austin, também ficou claro que os italianos foram capazes de tirar mais de um acerto que pede maior carga aerodinâmica, além das temperaturas mais amenas. A dificuldade – e isso ocorreu com praticamente todo mundo – foi com relação aos ventos, que tornou a pilotagem mais sensível. “Foi bem divertido. Está bem complicado por causa dos ventos, toda curva é uma aventura com esses carros, você não sabe quanta aderência vai ter ou quanta aderência esperar, mas consegui dar uma volta sem erros. A pole finalmente veio depois de várias classificações no seco onde estivemos perto, mas não chegamos”, comentou Sainz em entrevista à ex-pilota Danica Patrick.

Relacionadas


Mesmo assim, o carro ferrarista gerou com facilidade temperatura dos pneus e se mostrou equilibrado ao longo dos três setores do traçado americano. A grande questão para o domingo gira em torno do ritmo de corrida, precisamente no comportamento dos compostos da Pirelli nessa condição no carro vermelho.

BRIEFING ANALISA A CLASSIFICAÇÃO DA F1 NO GP DOS EUA

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Isso porque a equipe italiana vem sofrendo mais com o desgaste de pneus ao longo da temporada. De toda a forma, a bonita pole de Sainz dá ao espanhol a chance de encarar Max Verstappen, que sai em segundo. A tática, portanto, ganha também destaque. “Carlos foi preciso. É mais uma pole dele e esteve perto disso várias outras vezes. Nunca é apenas uma coisa, é uma combinação de fatores. Parte da nossa força é ter bom desempenho das primeiras voltas cronometradas com os jogos de pneus. Às vezes, isso nos prejudica na corrida. Quando nossos pneus ficam mais desgastados, nossas fraquezas são expostas, mas estamos tentando equilibrar isso e manter a vantagem que temos para voltas lançadas”, reconheceu Laurent Mekies, diretor-esportivo da Ferrari.

Inclusive, o time de Maranello até poderia ter cravado a primeira fila, não fosse a punição que Charles Leclerc terá de cumprir pela troca do motor de combustão interna e do turbo compressor. Assim, o monegasco larga apenas da 12ª posição do grid. E a qualidade da recuperação de Leclerc será também um desafio interessante para os italianos na busca por entender a degradação dos pneus e a própria estratégia. “Acreditamos que será uma corrida de alto desgaste. É assim que acaba surgindo uma variação [tática] com carros e pilotos e como vamos lidar com isso”, completou Mekies.

Sainz, por outro lado, chamou a atenção para o ponto central do plano ferrarista de tentar vencer novamente em 2022. “Eu não vou mentir. A Red Bull ainda é a favorita para amanhã pelo ritmo de corrida, normalmente nos pegam nas corridas. Max tem feito um grande trabalho, tem um grande carro, mas vamos fazer o que puder para ficar à frente amanhã e vencer a corrida, seria uma grande maneira de começar estas quatro provas finais”, disse o espanhol.

A Ferrari já esteve nesta posição em outras vezes na temporada, por isso também trata com cautela quando se refere à disputa com a Red Bull. Isso acontece porque os taurinos costumam elevar o ritmo consideravelmente no domingo. A única ressalva aqui é que Verstappen enfrentou mais dificuldades para aquecer os pneus do que normalmente acontece. Na parte final do Q3, o holandês precisou de duas voltas de aquecimento antes da tentativa final. É nisso que os ferraristas apostam as fichas.

A esquadra dos energéticos está muito perto de conquistar o título entre os construtores neste fim de semana, mas a notícia da morte do fundador da marca austríaca, Dietrich Mateschitz, deixou compreensivelmente o clima triste no paddock e dentro das garagens da Red Bull. “Tem sido uma má notícia para todos. O que ele [Dietrich] significou para a Red Bull, para o esporte e especialmente para mim. O que ele fez por mim, pela minha carreira, pela minha vida… muito difícil”, disse Max visivelmente abatido.

Max Verstappen larga em segundo em Austin, mas não escondeu a tristeza pela morte do fundador da Red Bull (Foto: Red Bull Content Pool)

“É um dia difícil. Claro, tentamos dar tudo de nós hoje, só que infelizmente erramos um pouco. Mas ainda teremos uma corrida pela frente e tentaremos deixá-lo orgulhoso amanhã. O nosso carro normalmente é mais rápido na corrida do que na classificação e, mesmo assim, hoje na classificação a diferença foi pequena, então se tivéssemos ido um pouco melhor, eu acho que seria diferente”, acrescentou o agora bicampeão.

Max sai do lado menos emborrachado, e isso também pode ser usado pela Ferrari e pela Mercedes, que tem seus dois carros na segunda fila, também devido à punição de Leclerc. E mais, o GP dos EUA caminha para uma prova tática também. De acordo com a Pirelli, a estratégia mais rápida será a de cumprir a prova de 56 voltas com duas paradas – pneus médios e duros, por causa do risco de desgaste.

Portanto, a largada e o cuidado com os pneus serão fundamentais para qualquer pretensão de bater o combo Max-Red Bull.

GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do GP dos Estados Unidos de Fórmula 1AO VIVO e EM TEMPO REAL. No domingo, a largada está marcada para as16h [de Brasília, GMT-3].

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.