F1

Ferrari confirma saída de Arrivabene e anuncia Binotto como novo chefe de equipe para temporada 2019

Maurizio Arrivabene, chefe da Ferrari desde 2015, está de saída. A cúpula da companhia italiana optou por promover Mattia Binotto, antes diretor-técnico, à condição de comandante. O anúncio é o desfecho de uma disputa interna por poder
Warm Up / VITOR FAZIO, de Berlim / EVELYN GUIMARÃES, de Curitiba / PEDRO HENRIQUE MARUM, do Rio de Janeiro
 Maurizio Arrivabene (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Conforme noticiado pela imprensa italiana, a Ferrari optou por trocar de chefe de equipe para 2019. A equipe anunciou nesta segunda-feira (7) que Maurizio Arrivabene, comandante da operação na Fórmula 1 desde 2015, deixa o cargo com efeito imediato. O sucessor é uma solução caseira: Mattia Binotto, antes diretor-técnico em Maranello, sobe para a chefia.
 
A mudança é o desfecho de uma disputa interna por poder entre Arrivabene e Binotto que se arrastou ao longo do segundo semestre de 2018. Maurizio negou o ‘racha’ em declarações à imprensa, mas o ‘La Gazzetta dello Sport’ definiu a relação entre os dois concorrentes como “insustentável”, consequência direta do fracasso na briga por títulos do Mundial de Pilotos e de Construtores.
 
A decisão favorável a Binotto vem da cúpula da Ferrari. John Elkann, presidente da companhia desde a morte de Sergio Marchionne, apoiou uma mudança de comando. O fato de o contrato de Arrivabene se encerrar ao fim de 2018 facilitou a mudança – não houve necessidade de uma rescisão formal, bastando a não renovação do acordo.
Mattia Binotto é o homem da vez na Ferrari (Foto: Reprodução/Twitter)
"Após quatro anos de comprometimento e dedicação totais, Maurizio Arrivabene está deixando o time. A decisão foi tomada junto com a alta cúpula diretiva após longas discussões relacionadas aos interesses de Maurizio a longo prazo, assim como os da própria equipe. A Ferrari gostaria de agradecer Maurizio pela contribuição valiosa para o aumento da competitividade da equipe nos últimos anos. Desejamos a ele o melhor nos projetos futuros", informou a nota da equipe vermelha.
 
"Com efeito imediato, Mattia Binotto vai assumir como chefe da Ferrari. Todas as áreas técnicas continuam respondendo diretamente ao Mattia", completou.

Binotto assume a chefia da Ferrari com um objetivo claro em 2019: acabar com o já incômodo jejum de títulos. Sem um piloto campeão desde 2007 e sem ser a melhor construtora desde 2008, a escuderia de Maranello sofreu com frustrações recentes contra a Mercedes. Sebastian Vettel chegou a liderar os campeonatos de 2017 e 2018, mas acabou derrotado por Lewis Hamilton ao perder rendimento na reta final.
 
Arrivabene falhou na busca pelo título, mas tem créditos pela evolução da Ferrari. O agora ex-chefe assumiu a escuderia no começo de 2015, seguido de um 2014 em que os italianos foram apenas a quarta força e nem sequer venceram corridas. Apesar da falta de títulos, Maurizio comando a recuperação rumo ao posto de segunda melhor equipe.

Binotto, por sua vez, está no comando técnico da equipe italiana desde 2016, quando assumiu o cargo depois da saída repentina do inglês James Allison, hoje diretor-técnico da rival da Mercedes. Mattia começou a trabalhar em Maranello em 1995, como engenheiro de testes. Depois, passou a exercer o mesmo papel, mas com a equipe de corrida, entre 1997 e 2003. Após uma fase em que ocupou o posto de engenheiro de motores e engenheiro-chefe, o profissional conduziu o setor dedicado ao desenvolvimento do KERS em 2009, antes de dirigir o departamento de unidade de potência, no fim de 2014.