Ferrari “tirou uma parte da alma de Vettel” ao fulminar confiança na F1, dispara Webber

Mark Webber correu ao lado de Sebastian Vettel entre 2009 e 2013 e, portanto, conhece como poucos o trabalho do tetracampeão do mundo. Testemunha do auge da carreira de Seb, o australiano disse que a passagem pela equipe italiana fez mal ao alemão e avisou: “Quero vê-lo bem”

Volta rápida na pista de Miami, que recebe a F1 em 2022 (Vídeo: F1 Miami)

De todos os oito companheiros de equipe que já teve em sua trajetória até agora na Fórmula 1, ninguém conhece mais Sebastian Vettel do que Mark Webber. O australiano esteve ao lado do tetracampeão do mundo justamente no seu auge no esporte e compartilhou os boxes da Red Bull entre 2009 e 2013, em 94 GPs disputados, portanto. O ex-piloto, hoje com 44 anos, tentou encontrar os motivos para a má fase de Sebastian ser interminável e apontou para a toxicidade da Ferrari, a última equipe de Seb.

Em entrevista ao site espanhol SoyMotor, Webber disse que o ambiente da equipe de Maranello foi extremamente prejudicial para o alemão em vários aspectos.

“Acho que, em termos de confiança, a Ferrari tirou uma parte da sua alma. Acabaram com ele. E quando você se sente um pouco desconectado, isso acaba sendo muito tóxico. Era óbvio que era um ambiente tóxico para ambos. A Ferrari não o queria, e ele não queria a Ferrari, e o casamento entre eles foi muito longo. E isso é difícil”, disparou o campeão mundial de endurance.

LEIA TAMBÉM
+ Stroll escancara má fase de Vettel ao colocá-lo no bolso no começo da temporada
+ Aston Martin garante que Vettel trabalha “incessantemente” para se adaptar ao carro
+ Ímola é beliscão de realidade para quem sonhava com 2021 glorioso de Vettel e Alonso

Mark Webber foi o companheiro de equipe que mais correu ao lado de Sebastian Vettel na F1 (Foto; Getty Images/Red Bull Content Pool)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Webber comparou Vettel a Lewis Hamilton e disse que a Ferrari acelerou o envelhecimento do tetracampeão. “Quantos anos ele tem agora? 32? [Nota da redação: na verdade, Vettel tem 33 anos]. Olhe para Hamilton, que tem 36 e parece que ainda tem 32. Dói dizer isso”, comentou o piloto.

Vettel e Webber protagonizaram polêmicas, como o Multi21, ordem de equipe da Red Bull para o australiano deixar o então jovem colega passar no GP da Malásia de 2013. Mas Mark deixou claro que não tem nenhuma mágoa de Seb. “Tem gente que acredita que eu gosto de ver Sebastian mal, e isso é uma bobagem. Quero ver Sebastian bem”, garantiu.

“Todos nós esperamos que ele possa voltar a lutar. Não acho que há muita gente que queira vê-lo terminar assim depois da corrida [em Ímola] que ele fez. Espero que ao menos ele possa recuperar o sorriso antes de sair de cena. De verdade, espero que ele consiga”, complementou.

Testemunha dos tempos de glória de Vettel na Fórmula 1, Webber revelou uma característica do alemão que sempre lhe chamou a atenção. “Sebastian sempre gosta de largar lá na frente. Era muito bom partindo da pole-position e sem ninguém à frente naquela época. Quando estava no meio do grid, nunca andava tão bem, então isso é uma das coisas mais importantes”, disse. Vettel venceu 31 corridas largando da pole-position.

“Quando fez tanto sucesso naquela época, ele era mágico. Houve vezes em que ele abria 1s para Hamilton em Singapura. Não só eu, mas mesmo Hamilton esfregava os olhos para as coisas que Seb fazia. Houve momentos em que sua velocidade em alguns circuitos era extraordinária”, lembrou o dono de nove vitórias, 13 poles e 42 pódios em 215 GPs disputados na Fórmula 1.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar