FIA mantém duas zonas de ativação da asa móvel em Albert Park para GP da Austrália de 2013

A zona de detecção do DRS será antes da curva 14 do circuito de Albert Park. Já a ativação da asa móvel será liberada na saída da curva 16, que dá acesso à reta dos boxes, e, depois, na saída da curva 2

Faltando menos de três dias para os carros darem início às atividades de pista do GP da Austrália, prova que abre a temporada 2013 da F1, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) divulgou em seu site oficial a informação sobre o uso do DRS, a asa móvel, durante o fim de semana no circuito Albert Park, em Melbourne.

A entidade manteve a configuração usada em 2012. Assim, a zona de detecção do DRS será antes da curva 14 de Albert Park. Caso um piloto esteja a menos de 1s atrás dos seus oponentes ao cruzar a zona de detecção, então a ativação da asa móvel será liberada duas vezes. Primeiro, na saída da curva 16, que dá acesso à reta dos boxes, até o fim do trecho antes da curva 1. Logo depois, na saída da curva 2, fechando antes da entrada da curva 3.

A reta dos boxes de Melbourne será um dos trechos liberados para o uso da asa móvel  (Foto: Red Bull/Getty Images)

O uso da asa móvel em Melbourne, no entanto, não oferece muitos ganhos aos pilotos. Isso porque o circuito de Albert Park não compreende grandes trechos de reta, o que minimiza muito a eficiência do DRS.

A partir desta temporada, o uso da asa móvel será restrito nos treinos e sessão classificatória. Até 2012, o DRS era liberado em todo o circuito, sendo restrito às zonas de ativação apenas na corrida. Mas para 2013, a FIA alterou o regulamento e só liberou o DRS nos trechos demarcados pela entidade, entre sexta-feira e domingo. Outra novidade é que em todas as 19 corridas da temporada, com exceção de Mônaco e Suzuka, estão previstas duas zonas de ativação da asa móvel.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube