F1

Fittipaldi clama por ajuda financeira de empresas brasileiras e critica “caso gritante” da Petrobras

Emerson Fittipaldi comentou a ausência de pilotos brasileiros no grid da F1 em 2018. O bicampeão elogiou a Escuderia Telmex e criticou o “caso gritante” da Petrobras por anos na Williams

Warm Up / PEDRO HENRIQUE MARUM, de Interlagos / EVELYN GUIMARÃES, de Interlagos / GABRIEL CURTY, de Interlagos
Emerson Fittipaldi fez duras críticas à falta de apoio aos pilotos brasileiros que tentam chegar na F1. Neste domingo (12), em entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO no paddock de Interlagos, o bicampeão do mundo lembrou o caso da Petrobras, que patrocinou por muito tempo a Williams e, segundo Emerson, tem sua parcela de culpa pela falta de brasileiros no grid em 2018.
 
Fittipaldi garantiu que a falta de apoiadores brasileiros não vem apenas do momento da economia. O bicampeão ainda lembrou que o ideal é que o suporte das patrocinadoras aconteçam desde as categorias de base, não apenas no salto para a F1.
Emerson Fittpaldi comentou a falta de apoio aos pilotos brasileiros (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
"Tem muitas empresas no Brasil [com condições]. É só querer. Está cheio de empresa aí com sucesso financeiro. Agora, não é só querer chegar à F1: tem que ajudar antes de chegar à F1. Tem que ajudar o automobilismo brasileiro, as categorias menores. Aí é que dá base para selecionar pilotos para o futuro. Isso que falta aqui. Todo mundo quer aparecer na F1, mas e antes? Como se apóia a molecada? Quantos moleques têm chance de ser campeão mundial, mas não tem oportunidade?", questionou.
 
Ao ser questionado pelo GP se falta algum grande programa de pilotos como no caso do mexicano da Telmex - grupo que engloba pilotos do mundo todo como o próprio Pietro Fittipaldi, neto de Emerson -, o bicampeão do mundo não titubeou e ainda lembrou da presença da Petrobras por anos na Williams, nem sempre com pilotos brasileiros no esquema.
 
"Falta e muito. Vou dar um exemplo: a Petrobras patrocinou a Williams por uma década e não tinha nenhum piloto brasileiro. Com tanto talento esperando uma oportunidade para entrar na F1 e você coloca um piloto estrangeiro? Agora nós estamos pagando o preço aqui", completou.
 
O GRANDE PRÊMIO e o MSN Esportes acompanham 'in loco' o GP do Brasil com Flavio Gomes, Victor Martins, Evelyn Guimarães, Fernando Silva, Gabriel Curty, Pedro Henrique Marum, Vitor Fazio, Américo Teixeira Jr. e Rodrigo Berton direto de Interlagos. Acompanhe a cobertura aqui e todos os detalhes AO VIVO e em TEMPO REAL aqui.

GERAÇÃO PRIVILEGIADA

F1 TEM ÓTIMA CLASSE EM 2017. E É BOM DEMAIS VÊ-LA EM AÇÃO