Fora do Q3, dupla da Renault espera ter ao menos ritmo de corrida forte

Daniel Ricciardo e Nico Hülkenberg já sabiam que a classificação em Interlagos podia ser sofrida. Afinal, as equipes estavam com desempenho similar e a Renault tem dificuldades em voltas rápidas. Desse jeito, a dupla alinha em 11º e 13º

A Renault manteve o objetivo tradicional de ir ao Q3 no treino classificatório deste sábado (16) no Brasil, mas voltou a decepcionar. Daniel Ricciardo e Nico Hülkenberg, respectivamente 12º e 14º mais rápidos em Interlagos, tiveram uma nova prova de como o apertado pelotão intermediário pode facilmente causar vítimas. Só que nem tudo é tristeza: aos olhos dos companheiros de equipe, o ritmo de corrida tem tudo para ser mais competitivo.
 
"A gente tinha o objetivo de ir para o Q3 e não conseguimos, mas sabíamos que seria apertado", comentou Ricciardo durante entrevista acompanhada pelo GRANDE PRÊMIO. “Ao menos a gente ganha uma posição do Leclerc [punido por troca de motor], e aí vamos correr atrás dos outros. A minha volta foi decente. Você sempre pensa que pode fazer melhor, mas não é como se eu tivesse jogado muito tempo fora. A sensação é de que tirei quase tudo que podia do carro”, seguiu.
 
“Fazer um pit-stop costuma ser melhor, mas talvez fazer dois seja mais rápido. Eu quero tentar. A Haas, por exemplo, não está sendo tão boa assim com pneus esse ano nas corridas. Eles se classificam bem, mas vão um pouco para trás nas corridas. Talvez o pelotão intermediário fique andando junto, e isso pode ser interessante. A gente pode fazer duas paradas, mas ainda não discutimos a estratégia. Os macios parecem melhores, mas veremos”, ponderou.
O dia da Renault em Interlagos não foi tão brilhante assim (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

A visão de Ricciardo é parecida com a de Hülkenberg. O alemão já contava com problemas em voltas rápidas, relembrando que a Renault não costuma ser tão forte assim em Interlagos.

 
“A gente esperava um pelotão intermediário muito apertado”, destacou Hülkenberg. “Sabe, estava bem claro que as coisas podiam se complicar para nós porque essa pista não é das melhores para nosso carro. A gente estava um pouco exposto em voltas rápidas. Não é tão surpreendente [não ir ao Q3], mas é claro que é decepcionante quando acontece. Não é terrível, vamos lutar. A gente tem a chance real de somar pontos”, encerrou.
 
A boa notícia é que a penalização de Charles Leclerc, que cai dez posições no grid por troca de motor, ajuda a dupla da Renault. O australiano larga em 11º, enquanto o alemão fica em 13º.

O GRANDE PRÊMIO cobre in loco o GP do Brasil com os jornalistas Evelyn Guimarães, Felipe Noronha, Fernando Silva, Flavio Gomes, Gabriel Carvalho, Gabriel Curty e Pedro Henrique Marum, e o fotógrafo Rodrigo Berton. Acompanhe todo o noticiário aqui e tudo dos bastidores e das atividades em pista AO VIVO e em TEMPO REAL

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube