Fórmula 1 opta por coletar dados de inclinação e barra DRS na curva final de Zandvoort

Última curva do traçado holandês conta com uma inclinação de 18°, algo incomum no calendário da F1. Assim, a FIA (Federação Internacional de Automobilismo) decidiu iniciar a zona de DRS depois da Arie Luyendijkbocht

Ultrapassar no GP da Holanda será um pouco mais difícil do que o inicialmente planejado. A FIA (Federação Internacional de Automobilismo) optou pela prudência e decidiu não liberar o uso da asa móvel na Fórmula 1 na última curva de Zandvoort.

Diferente do padrão na F1, a curva Arie Luyendijkbocht, que antes era conhecida como Bos Uit, tem uma inclinação de 18°. Quando o circuito foi reformado para receber a primeira corrida do Mundial desde 1985, a ideia era que os pilotos usassem a asa móvel entre a penúltima curva e a primeira, batizada de Tarzan.

O circuito de Zandvoort traz como novidades duas curvas de enorme inclinação (Foto: Reprodução)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

No entanto, o diagrama publicado pela FIA antes da corrida deste fim de semana mostra que a zona de DRS começa logo depois da última curva.

“Esta é a decisão da FIA”, disse Jan Lammers, chefe do circuito. “Eles querem ver como será neste ano e coletar dados da vida real”, explicou.

“Não estão correndo nenhum risco, o que é compreensível para esta primeira edição em 36 anos”, encerrou.

F1 retorna no fim de semana, na Holanda, com a reestreia em Zandvoort após 36 anos. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades AO VIVO e EM TEMPO REAL.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar