F1

Gasly diz que conhece “jeito de trabalhar da Honda”, mas descarta vantagem sobre Verstappen na pista

Vindo de experiências anteriores com a Honda, Pierre Gasly afirma que sabe lidar com os japoneses foram das pistas. Mas que, dentro delas, não terá vantagem sobre seu novo companheiro de Red Bull, Max Verstappen
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Pierre Gasly (Foto: Red Bull)
Pierre Gasly já teve motores Honda em seu carro em duas oportunidades: não só na Toro Rosso, em 2018, como também na Super Formula, antes de se mudar para a F1. 

Mas, para o francês, isso não será uma vantagem, ao menos nas pistas, sobre Max Verstappen, a quem se junta na Red Bull em 2019 - o holandês terá sua primeira vivência com a Honda na vindoura temporada.

"Em termos de pilotagem, já disse muitas vezes, nesse nível da F1 depois de três voltas Max já terá entendido completamente o motor. Não será uma mudança tão massiva", afirmou.
Pierre Gasly em Abu Dhabi 2018 (Foto: Red Bull Content Pool)
Mas, fora das pistas, ele acha que pode ter uma pequena vantagem: "Já sobre o jeito de trabalhar com os japoneses, isso é uma coisa boa (para ele)."

"Em termos de confiança e com o fato de que já trabalhei com essa equipe, eles já sabem o que esperar de mim em termos de comentários. Quando encontramos algumas dificuldades, quero que eles melhorem. Então em termos de comunicação isso será bom para a equipe", completou. 

Segundo Gasly, a relação entre ele e a Honda evoluiu muito em 2018: "Algumas pessoas precisam que você mostre respeito e confiança neles, para que construam sua própria confiança."

"No começo de trabalho conjunto é sempre uma relação um pouco fria. Eu vi que a Honda se abriu durante a temporada, nos deu a confiança para trabalharmos juntos. Eles vinham de uma situação difícil com a McLaren, então estavam com um pé atrás. Melhoraram durante o ano e agora estou muito feliz com a relação que tenho com eles", finalizou o francês.