Gasly toma a si como exemplo e diz que é possível entrar na F1 sem grande aporte financeiro: “Nem tudo é sobre dinheiro”

Pierre Gasly acredita que ainda é possível entrar na F1 mesmo sem um grande aporte financeiro. O jovem francês usou como exemplo o próprio caso e acha que, algumas vezes, o desempenho faz diferença. O piloto de 21 anos vai disputar sua primeira temporada completa na F1 neste ano pela Toro Rosso

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Integrante do programa da Red Bull e pronto para a primeira temporada completa na F1 em 2018, Pierre Gasly se vê como exemplo e acha que há ainda uma chance de jovens pilotos entrarem no Mundial mesmo sem um grande aporte financeiro. Para o francês de 21 anos, "nem tudo é somente sobre dinheiro".

 
Agora titular da Toro Rosso, Gasly se juntou ao prestigiado e difícil projeto da equipe austríaca depois de conquistar o título da F-Renault Eurocup em 2013. Desde então, foi campeão da GP2 e também se destacou na Super Fórmula no Japão, onde foi vice em 2017, além da World Series em 2014.
 
"No fim das contas, todos nós sabemos que não é uma questão apenas de desempenho. Você precisa ter um apoio forte. Eu não tinha empresário, então estava sozinho, brigando com os grandes nomes do paddock e tentando achar o meu lugar. E estou realmente feliz, porque consegui um lugar sem um grande empresário e sem ter de pagar pelo cockpit", afirmou o piloto em entrevista ao site norte-americano 'Motorsport.com'.
Pierre Gasly estreou na F1 em 2017 (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

"Porque atualmente é muito difícil de conseguir uma chance, mas o meu caso mostra para os jovens que ainda é possível, que dá para fazer isso. Nem tudo é somente sobre dinheiro. Há uma maneira de chegar na F1 sem", emendou.

 
Gasly ainda deixou claro que, diante de seus resultados, também teria tido uma chance na F1 mesmo sem o apoio dos rubro-taurinos. "Se você olhar o que eu fiz, sem ser arrogante, mas eu ganhei a F-Renault e fui vice na World Series. Algumas pessoas que terminaram a World Series em segundo, como Daniel Ricciardo e Jules Bianchi, foram direto para a F1."
 
"Então, eu fui para a GP2 e venci lá. Fui o segundo mais novo a ganhar lá depois de Nico Rosberg. Aí veja que os demais campeões, como Lewis Hamilton, Nico Hülkenberg e Stoffel Vandoorne, estão na F1 também. E por que eu, um dos mais jovens a vencer, não deveria também estar?", questionou.
 
Enquanto revela que chegou a ficar "chateado" por ter de esperar uma oportunidade na F1, Gasly reconheceu que a demora em ser chamado o ajudou de um ponto de vista mais psicológico. "De certa forma, me fortaleceu. Para mim, não há experiências ruins. Você sempre aprende algo com isso, se é bom ou ruim, sempre há coisas que se pode levar. Tem sido uma longa jornada, mas com muitas experiências boas e úteis para mim", encerrou.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube