Russell fala em boa relação com jovens pilotos na Fórmula 1: “Não temos motivo para odiar”

O titular da Williams considerou que não teve maiores problemas nas pistas com os pilotos da mesma geração e considerou que é positivo que competidores da mesma faixa etária estejam brigando entre os ponteiros na Fórmula 1

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

George Russell afirmou que não há motivo para odiar os jovens rivais na Fórmula 1. O piloto da Williams considerou que é positivo que competidores da mesma faixa etária estejam brigando entre os ponteiros.

Além de Russell, o time jovem da F1 conta com Lando Norris, Charles Leclerc e também Alex Albon, hoje reserva da Red Bull, que chegaram ao Mundial mais ou menos na mesma época. A rivalidade, porém, não abalou a relação entre eles.

George Russell destacou a boa relação com os outros jovens do grid (Foto: Williams)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“Acho, naturalmente, que a nossa relação é relativamente boa, pois não há razão para termos desentendimentos intensos”, disse o britânico ao podcast In the Fast Lane. “Não batemos um no outro na pista. Lando e eu brigamos na Fórmula 1, mas não tivemos nenhuma batalha de verdade, não disputamos roda a roda ou batemos um no outro ― não temos motivo para odiar um ao outro”, seguiu Russell.

George considerou que pode ser um caso parecido ao de Lewis Hamilton e Nico Rosberg, que eram amigos, mas vimos a relação azedar por causa da disputa pelo título.

“Talvez tenha sido a mesma coisa com Lewis e Rosberg. Eles eram bons amigos na época, companheiros de equipe, tudo estava ótimo e, de repente, alguns esbarrões, o fato de terem levado o campeonato até a última instância, aquela relação logo se esvaiu”, ponderou.

Hoje na Williams, Russell é cotado para uma vaga na Mercedes ao lado de Lewis Hamilton e acredita que ter jovens pilotos entre os ponteiros da Fórmula 1 é positivo para a faixa etária.

“Acho que é bom para toda a nossa geração que esses jovens entrem para equipes grandes, se mantenham e que, de fato, não sejamos novatos, mas que estejamos aqui para fazer um bom trabalho”, comentou. “Nós todos pressionamos uns aos outros nos últimos dez anos. Estivemos nos mesmos paddocks nos últimos dez anos e fomos escalando juntos”, completou.

LEIA TAMBÉM
Red Bull ainda respira na F1 2021, mas chances desperdiçadas vão cobrar preço ao fim do ano

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar