GP às 10: Ayrton Senna começou fatídico ano de 1994 muito preocupado com o carro que tinha nas mãos

É inevitável comentar sobre Ayrton Senna a cada 1º de maio. Nesta terça-feira que marca os 24 anos da morte do tricampeão mundial, Flavio Gomes recorda como o piloto começou 1994 muito preocupado com o carro da Williams depois do banimento de sistemas eletrônicos, tornando-o perigoso para guiar

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

A cada 1º de maio, as lembranças são inevitáveis. Nesta terça-feira (1), a morte de Ayrton Senna é lembrada novamente. 24 anos após seu trágico passamento em Ímola, Flavio Gomes recorda o começo dos trabalhos do tricampeão do mundo pela Williams durante os primeiros testes com o bólido já sem os sistemas eletrônicos que o tornaram “o carro de outro planeta”. 

 
No GP às 10 desta manhã, o jornalista, um dos brasileiros que cobria a F1 ‘in loco’ e estava naquele fim de semana na Itália, lembra que Senna se queixou muito da dirigibilidade do carro e traz novamente a célebre frase: “Bem na minha vez, cagaram no carro”, dita pelo tricampeão após uma sessão de testes no Estoril, em Portugal.

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }


O GP às 10 é a série que traz um comentário em vídeo dos jornalistas do GRANDE PRÊMIO e convidados especiais, sempre às 10h, do dia e da noite.

Veja aqui todas as edições do 'GP às 10'. 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube