F1

GP às 10: Calendário com 22 GPs tem lado bom, mas tende a banalizar corridas da F1

Fernando Silva opina sobre o primeiro esboço do calendário da temporada 2020 da F1, o maior de todos os tempos, com 22 corridas. O jornalista entende que tal cenário tem seu lado positivo, mas por outro lado acaba por banalizar as corridas, além de tornar o ano muito exaustivo para os funcionários que viajam com a categoria ao redor do mundo

Grande Prêmio / Redação GP, de Sumaré
A F1 apresentou, na semana passada, a primeira prévia do seu calendário para a temporada 2020. Vai ser o maior da história, com 22 GPs para o ano que vem, tendo como grandes novidades a entrada do GP do Vietnã, o regresso do GP da Holanda e a saída do GP da Alemanha. No entanto, ainda que tenha seu lado positivo, um calendário tão amplo traz seus problemas, como pontuou Sebastian Vettel sobre o cansaço dos funcionários que viajam para trabalhar na categoria. Fernando Silva, no GP às 10 deste sábado, levantou outro ponto: tantas etapas em sequência, como acontece com a Nascar, por exemplo, fazem com que as corridas se tornem um tanto banais.

O GP às 10 é a série que traz um comentário em vídeo dos jornalistas do GRANDE PRÊMIO, sempre às 10h (de Brasília), do dia e da noite. Veja aqui todas as edições do GP às 10.

Paddockast #32
AS PISTAS MAIS PERIGOSAS DO MUNDO


Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.