GP às 10: Ricciardo enterrou sapo? A maldição do segundo carro da Red Bull

A Red Bull foi atrás de Sergio Pérez para compor a dupla ao lado de Max Verstappen em uma tentativa de fortalecer o time na briga com a Mercedes. Mas o mexicano ainda não desencantou e vem enfrentando dificuldades. Estaria esse carro amaldiçoado? É o que o GP às 10 debate nesta quinta-feira

Durante os últimos anos, a Red Bull deu preferência aos seus pilotos de seu programa de jovens na F1. Afinal, o investimento nas jovens promessas sempre foi alto e fazia todo o sentido promover os competidores até a equipe principal no Mundial. Depois de Sebastian Vettel e Daniel Ricciardo, Max Verstappen surgiu como o grande nome desse sistema e rapidamente ascendeu ao posto de primeiro piloto da esquadra taurina. E o holandês não decepcionou. Com muito talento, venceu corridas e, atualmente, vive uma disputa acirrada com Lewis Hamilton pelo campeonato. Acontece que o time vem encontrando grandes dificuldades para colocar alguém tão forte ao lado de Max.

Isso vem desde a saída de Ricciardo no fim de 2018. O australiano decidiu deixar a marca dos energéticos e abriu caminho para os jovens. Primeiro, veio Pierre Gasly. Mas o francês não conseguiu se adaptar ao complexo carro austríaco e não entregou os resultados esperados, sendo alvo de críticos do conselheiro Helmut Marko, que não hesitou em tirá-lo da equipe ainda na metade da temporada de 2019.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Gasly foi rebaixado e voltou para a então Toro Rosso. Enquanto isso, Alex Albon, que vinha em seu ano de estreia na F1 com o time de Faenza, foi alçado ao posto de titular na Red Bull. O começo do tailandês foi melhor do que do colega e arrancou até elogios. A performance rendeu a Albon uma chance no ano seguinte. Mas o 2020 de Alex não foi nada regular. A falta de desempenho foi gritante, e isso acabou mimando suas oportunidades de seguir mais uma temporada.

Por isso, a Red Bull precisou olhar para fora de seu programa na tentativa de se fortalecer. Desempregado, Nico Hülkenberg chegou a ser cotado, mas a vaga ficou mesmo com Sergio Pérez. O mexicano havia sido preterido na Racing Point, hoje Aston Martin, e estava sem lugar no grid. No entanto, a bela vitória em Sakhir fez os olhos taurinos brilharem. Pérez tinha a experiência necessária. Só que Sergio ainda não foi capaz de mostrar performance e já vem sendo cobrado pela cúpula do time das latinhas.

É notório que o carro da Red Bull, de fato, é feito ao gosto de Verstappen, mas seria só esse o problema de quem se senta no segundo carro da equipe? É isso que debate o GP às 10 desta manhã de quinta-feira.

LEIA TAMBÉM
+Red Bull ainda respira na F1 2021, mas chances desperdiçadas vão cobrar preço ao fim do ano
+Mercedes alcança nível de Red Bull e estratégia vira fiel da balança na F1 2021

Hamilton pega Verstappen na tática e vence: assista aos melhores momentos do GP da Espanha (GRANDE PRÊMIO com Reuters)

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar