F1

Gritos, xingamentos e troca de uniforme: Glock relembra reação da torcida após GP do Brasil de 2008

A memória do GP do Brasil de 2008 segue bastante viva na memória de Timo Glock. Em Interlagos no GP do Brasil, o piloto relembrou ao GRANDE PRÊMIO como a Toyota foi tratada com hostilidade após a disputa daquele ano, com os mecânicos até mesmo precisando trocar de uniforme
Warm Up, de São Paulo / FELIPE NORONHA, de Interlagos / JULIANA TESSER, de Interlagos / NATHALIA DE VIVO, de Interlagos / PEDRO HENRIQUE MARUM, de Interlagos
 Timo Glock (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Dez anos se passaram desde o fatídico GP do Brasil de 2008, mas a lembrança daquela corrida segue viva na memória de muitos. Em Interlagos, Timo Glock relembrou um pouco do episódio, comentando as ameaças que sofreu após a corrida e como precisou da polícia para ir embora do circuito.
 
Naquela prova, o alemão apareceu na frente de Lewis Hamilton após não ir aos boxes quando a chuva começou. Entretanto, perto do fim, a água apertou de vez e o piloto, que estava de pneus de tempo seco, não conseguiu segurar o inglês, que o ultrapassou e garantiu então seu primeiro título.
 
A retaliação veio imediatamente. A torcida não perdoou e a imprensa chegou a acusa-lo de conspiração e de ter combinado previamente com a McLaren. Depois, até mesmo recebeu ameaças.
Timo Glock (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
Em Interlagos, perguntado pelo GRANDE PRÊMIO sobre o que sentiu quando viu a revolta dos torcedores e imprensa, o alemão afirmou que ficou surpreso com a repercussão. “Com certeza [foi uma situação estranha]. Todos os meus mecânicos tiveram que trocar a roupa da equipe, não pudemos mais andar com roupas da Toyota pelo circuito”, contou com exclusividade.
 
“Eles pegaram camisetas da Renault e da McLaren, quer dizer, de alguma outra equipe, não lembro. Porque estavam xingando todos, gritando comigo também. Então me avisaram que era melhor ir com a polícia para o aeroporto”, continuou.
 
“A polícia andou comigo até o avião, só por segurança. Disseram-me que era a melhor opção, estava todo mundo enlouquecido. Só teve um jornalista brasileiro que fez um pequeno vídeo ao lado do meu carro, e foi quando eu expliquei que tinha pneus diferentes, então os brasileiros se acalmaram. Mas por algum motivo os alemães ficaram completamente malucos”, completou.
 
Com a surpresa pela resposta de que os alemães ficaram malucos com a situação, questionaram se eles foram piores que os brasileiros. O piloto foi direto: “sim”, encerrou.