F1

Grosjean festeja ponto em seu 100º GP e destaca trabalho da Haas: “Todos se esquecem que é nosso primeiro ano”

Romain Grosjean voltou ao top-10 depois de pouco mais de três meses. O franco-suíço viveu um domingo especial em Austin: cruzou a linha de chegada em décimo lugar no seu 100º GP e deu a chance de levar a Haas à zona de pontuação na primeira vez da equipe correndo em casa. Há mais de 30 anos uma escuderia norte-americana não disputava uma prova nos EUA

Warm Up / Redação GP, de Sumaré

Romain Grosjean viveu um fim de semana especial nos Estados Unidos. Na casa da Haas, o franco-suíço disputou seu 100º GP, fez uma boa corrida no Circuito das Américas e terminou o domingo (23) de volta à zona de pontuação, fechando a corrida em Austin em décimo lugar. Assim, Grosjean voltou a pontuar depois de três e meio de jejum. Na última vez que entrou no top-10 foi quando viu a bandeira quadriculada em sétimo lugar no GP da Áustria, em julho.
 
Grosejan vibrou com o ponto conquistado nos Estados Unidos. O piloto faturou todos os 29 pontos logrados pela Haas em sua temporada de estreia na F1. O domingo foi marcado por muitos festejos por parte da escuderia de Kannapolis, a primeira genuinamente norte-americana em 30 anos na F1. A última, a Team Haas, era chefiada por Carl Haas, que fez história na Indy ao lado de Paul Newman com uma equipe várias vezes campeã. 
Romain Grosjean chegou ao seu 100º GP na F1 somando um ponto em Austin (Foto: Haas)
Já a Haas F1 Team é chefiada por Gene Haas, que também mantém uma vitoriosa equipe na Nascar.
 
“Vou comemorar no centro da cidade. Nos recuperamos depois de dois dias complicados, de modo que estou feliz por isso. Fico feliz pela equipe porque é o GP de casa, e em todo o tempo pensamos nisso. Tiramos proveito do acidente [entre Nico Hülkenberg e Valtteri Bottas na largada], ainda que não tivéssemos um ritmo tão bom”, comentou o franco-suíço.
 

“Desde Detroit em 1986 não havia uma equipe norte-americana no grid, e estivemos aqui. Na classificação, não terminamos como gostaríamos, mas na corrida tivemos uma estratégia agressiva par reagir, então o top-10 é fantástico, todos esquecem que esse é o nosso primeiro ano na F1”, declarou Grosjean, que não poupou palavras para elogiar a equipe.
 
“Gene nos disse que um ou dois pontos seriam bons. Conseguimos um. Já tinha passado muito tempo desde então, precisamente oito corridas. Os caras mereciam. Acho que, como equipe, podemos melhorar em várias áreas, mas devemos estar felizes pelo que conseguimos neste dia”, comemorou.