F1

Grosjean lamenta abandono na Austrália e diz que mudanças não resolveram problemas de ultrapassagens

Após terceiro abandono consecutivo na Austrália, o francês Romain Grosjean citou que as mudanças aerodinâmicas da Fórmula 1 introduzidas em 2019 ajudaram os carros a ficarem mais próximos, mas não resolveu o drama das ultrapassagens. Piloto da Haas perdeu muito tempo atrás de Antonio Giovinazzi

Grande Prêmio / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
Romain Grosjean abandonou o GP da Austrália de 2019. O francês da Haas brigava por pontos até ter um problema no pneu dianteiro, que não estava bem preso – assim como em 2018. Mesmo sem ver a bandeira quadriculada, Grosjean testou o novo regulamento técnico ao brigar por posição com o italiano Antonio Giovinazzi, que se mostrou difícil de ultrapassar. Aos olhos do piloto da Haas, fica claro que, apesar de as mudanças aerodinâmicas da Fórmula 1 em 2019 deixarem os carros mais próximos, ainda é difícil ultrapassar.

"As novas regras aerodinâmicas tornaram fácil seguir outro carro, o que é bom. Mas os pneus ainda estão superaquecendo assim que você apera o ritmo, então, é muito, muito difícil de ultrapassar. E se você notar quantas voltas eu precisei para ultrapassar o Giovinazzi, é muito difícil de pressionar. O pneu superaquece e é isso, você perde aderência e não consegue chegar perto", disse o francês após a corrida.

Para Grosjean, a solução é justamente rever os pneus. Apesar das mudanças de 2019 terem um lado positivo, o francês cobra mudanças da parte da Pirelli: "Parece bom na TV, mas o próximo passo é conseguir pneus mais robustos para melhorar as corridas".
Romain Grosjean (Foto: Haas)
Grosjean mostrou tristeza com o segundo abandono consecutivo em Melbourne, mas mantém confiança na equipe e quer unir forças na garagem para evitar que o erro volte a se repetir no futuro.
 
"Déjà vu, dois anos em seguida e o mesmo problema. Terceiro ano seguido em que abandono enquanto estou nos pontos. A Austrália não gosta de mim. Eu amo estar aqui, tivemos um bom fim de semana, mas é uma pena. Não é fácil digerir, mas precisamos trabalhar juntos, como um time, para crescer e ter certeza de que não acontecerá de novo", finalizou.