F1

Grosjean se diz “orgulhoso” por reação em 2018, mas afirma: “Não vou me perdoar se começar mal de novo”

Romain Grosjean lembrou o início de ano complicado que teve em 2018 e se mostrou bem satisfeito com o jeito que deixou os problemas para trás. No entanto, admitiu que não ia aguentar outro começo de campeonato assim
Warm Up / Redação GP, de São Paulo
 Romain Grosjean (Foto: Haas)
Romain Grosjean viveu um ano de fortes emoções na F1. Após um começo terrível, o franco-suíço se recuperou e ajudou a Haas a garantir com tranquilidade a quinta colocação no Mundial de Construtores. Grosjean comemorou a reação, mas reconheceu que nem se perdoaria caso tivesse outro início parecido de temporada.
 
Grosjean começou a temporada muito bem e brigaria até por pódio na Austrália, mas a Haas errou no pit-stop e o carro #8 ficou parado na saída dos boxes. Dali para frente, tudo começou a dar errado, com acidentes bizarros na largada da Espanha e atrás de safety-car em Baku quando vinha em grande recuperação após largar de último.
 
"Definitivamente, meu foco precisa estar em não ter os mesmos erros que eu tive em 2018. Acho que eu não me perdoaria se tivesse mais um início de temporada como o que eu tive nesse ano", disse.
Romain Grosjean se recuperou de um péssimo começo de ano (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)
No entanto, os primeiros 12 pontos vieram todos juntos em uma exibição de gala na Áustria e, depois disso, Grosjean engrenou, alcançando 37 tentos mesmo com uma desclassificação dolorosa em Monza.
 
"Consegui aprender muita coisa nisso tudo, entender o que estava acontecendo. Lembro que na semana antes do GP da Alemanha eu liguei para o meu agente e disse "voltei". Mesmo antes de guiar o carro lá eu disse que tinha voltado e eu realmente voltei", seguiu.
 
 
 
Romain explicou que já estava cercado de dúvidas por quem o acompanhava, mas sempre soube que seu potencial ainda estava ali.
 
"Tudo começou a se encaixar depois de um momento em que foi basicamente "foda-se isso, aquilo, aquilo outro". Precisava seguir em frente e consegui. Acabou sendo uma boa experiência. Fiquei orgulhoso do jeito que saí dessa, sei que as pessoas já pensavam que eu nem deveria sair mais de casa, mas eu sabia que ainda tinha de onde tirar, só precisava entender o que estava acontecendo", completou.