GUIA 2020: Em ano de rivalidades quentes, F1 põe veteranos e jovens frente a frente

Todo o esporte precisa de grandes rivalidades, e a F1 não é diferente. Na verdade, a maior das categorias vive um momento raro em termos de concorrência, é um cenário dos mais interessantes que põe frente a frente veteranos e jovens

 

Em um grid tão jovem – metade tem entre 20 e 25 anos –, é justo imaginar que os veteranos sigam dando as cartas em 2020. Afinal, o piloto mais vitorioso da história recente da F1 inicia sua 14ª temporada aos 35 anos e dono de seis títulos mundiais, além de uma performance exuberante e de pouquíssimos erros. De fato, Lewis Hamilton é o homem a ser batido, até porque está na melhor equipe do campeonato. Porém, apesar de todo o favoritismo, o inglês não deve ter vida fácil. Se dentro das garagens da Mercedes, uma disputa com Valtteri Bottas parece improvável, é fora que Hamilton terá de lidar com inimigos bem mais perigosos.

O primeiro deles, claro, precisa ser o tetracampeão Sebastian Vettel. O alemão está de saída da Ferrari e deve endurecer o caldo, se o carro vermelho permitir. Afinal, Seb só tem 32 anos e não pode ficar fora do grid. Então, a disputa entre os dois maiores vencedores da última década por si só já seria um elemento para não se perder nenhuma corrida – ainda que seja dentro de uma temporada marcada pelos efeitos da crise do novo coronavírus -, mas o que chama atenção nesta possível briga é a forma distinta com que cada um se apresenta na pista. Enquanto Hamilton é mais frio e calculista, Vettel é pura emoção. Talvez por isso, o ferrarista acabe se envolvendo em mais confusão que o adversário, o que torna a rivalidade entre ambos uma das mais emblemáticas da F1.

Charles Leclerc e Max Verstappen, uma disputa que pode ser tornar explosiva (Foto: Reprodução)
Só que os dois não devem protagonizar um embate solitário. E é aí que entram os jovens. Dentro da própria Ferrari, Sebastian ainda terá de encarar um Charles Leclerc mais bem preparado e com um respaldo ainda mais amplo dos italianos, que, inclusive, estenderam seu contrato até 2024, deixando claro que confiam no talento do monegasco para liderar a equipe. Como a Ferrari vai lidar com os dois, em situações tão diferentes, também será um dos pontos de maior interesse em 2020.

E se Vettel está na mira de Charles, Hamilton também, o que reforçaria a ideia de que a Ferrari vai entrar na briga pelo campeonato. Mas há aí um terceiro elemento: Max Verstappen. O holandês tem como meta colocar a Red Bull também na luta pelo campeonato, e isso vai implicar em um duro embate não só com os prateados, como também com os ferraristas. E a história recente conta que o potencial para o espetáculo é enorme. E para faíscas também.
 
Hamilton já provou que sabe lidar bem com a agressividade de Max, dosando os momentos de ataque e aqueles em que precisa dizer quem manda. Há um respeito mútuo aí, mas as brigas entre Verstappen e Vettel já acabaram mal, assim como embate com Charles, mas quem não se lembra com entusiasmo da eletrizante disputa entre eles em Silverstone no ano passado? É, pode acontecer. E ainda tem um Alex Albon correndo por fora. O anglo-tailandês, de ultrapassagens tão precisas, fez até o hexacampeão errar – aconteceu no GP do Brasil do ano passado.

F1 tem embate entre veteranos e jovens (Foto: Getty Images/Red Bull Content Pool)
Dito isso, é possível afirmar que o pelotão dianteiro está muito bem servido. E o grupo do meio? Bem, aqui tem uma grande expectativa sobre como Daniel Ricciardo vai lidar com Esteban Ocon. De temperamento arredio e extremamente arrojado, o jovem francês, que volta ao grid neste ano, se assemelha muito a Verstappen, com quem o australiano não teve vida fácil na Red Bull. É claro que Ricciardo ainda ocupa o posto de líder da Renault, mas Esteban, como Max, não costuma respeitar hierarquias.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube