GUIA 2024: Bottas e Zhou têm ano decisivo para mostrar que são dignos de projeto Audi

Com contratos apenas até o fim de 2024 com a Sauber, Valtteri Bottas e Guanyu Zhou, em estágios opostos da carreira, precisam provar que merecem vaga na equipe que se prepara para a chegada da Audi em 2026

A temporada de 2024 da Fórmula 1 não trouxe nenhuma alteração do grid pela primeira vez na história. Contudo, quem imagina pilotos seguros em suas respectivas equipes está incrivelmente enganado. Mais da metade tem contrato apenas até o fim do campeonato, incluindo a dupla da Sauber composta por Valtteri Bottas e Guanyu Zhou.

Em fases totalmente diferentes da carreira, Bottas e Zhou se encontram em posição semelhante neste momento: precisam mostrar para a Sauber, em um ano de transição após a saída da Alfa Romeo, que merecem um lugar dentro do projeto da Audi, que chega em 2026 para assumir as operações.

Não é nenhum segredo que a Sauber cogitou mudar não apenas um mas ambos pilotos para 2024. E não faltaram opções atraentes: o protegido da academia da equipe, Théo Pourchaire, faturou o título da Fórmula 2 no ano passado, é reserva do time e segue no radar para o próximo ano. O brasileiro Felipe Drugovich também teve seu nome mencionado junto com outros veteranos, mas no fim a equipe de Hinwil optou por dar um voto de confiança e manter sua dupla.

GUIA F1 2024
F1 precisa driblar previsibilidade e já liga alerta em ano que começa turbulento
Verstappen entra favoritíssimo ao tetra e de olho em novos recordes da F1
Aston Martin arrisca em carro mais ‘autoral’, mas precisa agradar Alonso

Valtteri Bottas durantes os testes de pré-temporada no Bahrein (Foto: F1)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Partindo para sua 13ª temporada na Fórmula 1, Bottas é a experiência da dupla, mas também precisa mostrar que não virou passado. Os tempos de jovem promissor na Williams já ficaram para trás há algum tempo, bem como o ápice nos cinco anos de Mercedes que terminaram com quatro títulos do Mundial de Construtores. Mas ser veterano tem suas vantagens: o finlandês sabe que o mercado de pilotos será agitado e já deixou claro inúmeras vezes seu desejo de correr pela Audi.

“Ainda estou com vontade de voltar ao pódio. O projeto Audi pode ser a próxima oportunidade. Pelo que entendi, eles tomarão decisões para os próximos anos no início deste ano. Então ainda não [iniciei as negociações]. Terei essas discussões no primeiro trimestre deste ano. Fazer parte da Audi seria minha prioridade”, explicitou Bottas no início do ano.

Valtteri precisa deixar claro para o time representado por Alessandro Alunni Bravi que ainda é capaz de contribuir para o crescimento de uma nova equipe. O período de renascimento e, como foi trazido pelo time durante o lançamento do C44, a nova era da Sauber, trazem essa oportunidade para o finlandês. Os cinco anos em equipe campeã estão no currículo, mas até que ponto isso de fato gera benefícios para o time?

Zhou levou a Sauber ao terceiro lugar no último dia de testes da F1 no Bahrein (Foto: Sauber)

Bottas até começou muito bem a primeira temporada com a Alfa Romeo, pontuando em sete das primeiras nove corridas com o time italiano. Mas depois disso as coisas desandaram: apenas seis corridas no top-10 em 35. A sensação também é que em poucos momentos o veterano de 34 anos extraiu o máximo potencial dos carros que teve.

Com Zhou a história é diferente. Anos de novato na Fórmula 1 raramente vêm o sucesso que Oscar Piastri teve em 2023, por exemplo, e o chinês só obteve seis pontos contra 49 de seu companheiro de equipe. O fato do carro ser muito mais competitivo no começo de temporada também definitivamente não ajudou.

Andando mais próximo de Bottas no fim de 2022, Guanyu ganhou nova oportunidade na última temporada, e a diferença entre os dois foi mínima: dez pontos para o finlandês e seis para o piloto de Xangai. A divergência só veio mesmo em ritmo de classificação: 13,86 contra 15,64 de grid médio de largada a favor de Valtteri.

Valtteri Bottas (Foto: Sauber)

Zhou tem um fator que finalmente será avaliado em 2024: o peso comercial no mercado na China. O jovem de 24 anos finalmente terá a oportunidade de correr em casa após anos seguidos de cancelamento da prova. “Vai ser um ótimo momento e estou orgulhoso em dividir isso com todos que me apoiam”, disse Guanyu logo após renovar seu contrato.

Caso o retorno financeiro seja positivo, pode ser um aspecto importante para a Sauber 2025. Mas é difícil crer que esse seja um critério que uma gigante como a Audi vai utilizar para sua seleção quando assumir oficialmente o comando das operações daqui a duas temporadas. O terceiro ano de Zhou precisa ser de grande evolução para garantir sua permanência na Fórmula 1.

Com nomes de peso disponíveis, como Carlos Sainz, de saída da Ferrari, e Esteban Ocon, que já foi ligado ao projeto da Audi, e outros jovens promissores no radar (Théo Pourchaire e Zane Maloney, recém-chegado para a Academia da Sauber), a competição externa será mais importante do que a interna para Bottas e Zhou em 2024.

GRANDE PRÊMIO publica nesta semana um guia completo de tudo que é preciso saber sobre a temporada 2024 da Fórmula 1, que começa no próximo fim de semana, entre os dias 29 de fevereiro e 2 de março, com o GP do Bahrein. O GRANDE PRÊMIO transmite classificação e corrida em segunda tela, em parceria com a Voz do Esporte, na GPTV, o canal do GP no Youtube. Além disso, debate tudo que aconteceu na pista com o Briefing após cada dia de atividade.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.